Cervejas do Daniel Córdova – Beercast #311

By | 8 de maio de 2019

Felipe Silva não conseguiu trazer as cervejas do Daniel Córdova depois do Festival Brasileiro da Cerveja, mas o Fabrizio Guzzon conseguiu cumprir essa missão, podemos até que enfim provar essas famosas cervejas!

Confira como foi esse bate-papo.

Links Comentados durante o episódio:

BeerGifts

Acompanhe e entre em contato com o Beercast:

2 thoughts on “Cervejas do Daniel Córdova – Beercast #311

  1. Daniel Córdova

    Fala, pessoal! Hoje tenho muito pra comentar, vamos lá:

    – Anselmo, to mandando o boleto daquele dia que bebemos no EAP pra vc, blz? =D

    – A weizenbock não foi feita em cima de uma helles, o Felipe entendeu errado a msg mas eu dou desconto pq vcs tavam bebendo hahaha. É que o estilo pode ser escuro (helles) ou claro (dunkles). Weizenbock escura é a da Eisenbahn e a Schneider Tap 6 Aventinus. Das claras, a Weihenstephaner Vitus é um exemplo. Tentei chegar mais perto da Vitus, mas acho que ela ficou no meio termo na cor. Fico feliz que gostaram.

    – A black sour com maracujá foi inspirada numa black catharina com cereja que a Armada fez, mas por coisas do acaso (outra hora que conto a história) a base da minha versão é mais complexa que simplesmente uma catharina com malte torrado. Tem mais coisas ali no meio dando complexidade de malte. E o maracujá usei esses de polpa congelada (o caju é polpa tbm). Levou bronze no sul brasileiro 2019 numa categoria genérica já que não tem estilo pra ela.

    – O brettanomyces catarinense na verdade são 3 cepas e foram isoladas aqui em SC. Um amigo meu – que por caso é cervejeiro na Kayrós e antes de tudo um excelente cervejeiro caseiro – faz cervejas de fermentação espontânea na cidade natal dele e numa dessas acharam brett. Os lactobacilos que usei foram Yakult e mais um outro da Levteck. E tenho garrafas de 750ml, só não com rolha mas com tampa. Estão convidados a virem pras festas de fim de ano sabrar uma =D

    – Ah! Eu faço de 15 a 20L por mês. Não consigo beber tudo sozinho nesse período, obviamente. Costumo levar growler pra encontros com os amigos, envio pra concursos e às vezes vai sobrando uma garrafa ou outra por alguns meses. Tenho garrafa com mais de 2 anos que chegou num ponto que dá pena de abrir.

    – Fiquei muito feliz com o programa e muito obrigado pelos elogios e pelas avaliações. É verdade, muita da motivação pra estudar e melhorar como cervejeiro vem de vocês do beercast, que lá no início já davam uma força. Uma pena não ter podido beber essas cervejas com vocês, mas certamente vamos ter mais oportunidades.

    Abraço!!!

    Reply
    1. Anselmo Mendo

      Córdova! Mais uma vez obrigado por toda camaradagem.
      São caras como você que motivam a continuar fazendo os programas.
      E tenho certeza que ainda beberemos juntos suas cervejas!
      Abração!

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*