Boa Cerveja-Feira #253… Fruchte Weisse

By | 4 de janeiro de 2019

Mais um ano começando e não vamos deixar a coluna ficar sem a última cerveja que separei no ano passado, vamos uma cerveja muito propícia para as festas de fim de ano, a Fruchte Weisse.

Apesar de estar com o termo “Weisse” no rótulo, esta cerveja é considerada uma Fruit Lambic e é produzida pela parceria entre a Alenda e a Taverna MF. Para a concepção desta cerveja as cervejarias usaram os métodos tradicionais utilizados nas cervejarias da Baviera, incluindo o processo de decocção e fermentação em tanques abertos.

E como se não bastasse optaram por usar três tipos de leveduras, a própria levedura de weisse, Brettanomyces e Lactobacillus. Esta última levedura foi extraída naturalmente da casca do malte, como o pessoal da CCB disse no programa desta semana.

Fruchte Weisse

Fruchte WeisseDados Técnicos:

Cerveja: Fruchte Weisse
Estilo: Fruit Lambic
Teor: 6,1%
País de origem: Brasil
Embalagem: 750 ml 
Nota: 4,75

Quando servimos vemos uma cerveja levemente acobreada, como um dourado com toque rubro e completamente opaca. A espuma praticamente não existe, se forma e se dissipa quase que ao mesmo tempo.

No aroma encontramos uma mescla entre o perfil selvagem, com percepção de couro e animalesco, notas frutadas e levemente lático. Somente em segundo plano temos a presença do malte, muito discreto, mas o suficiente para criar um pano de fundo.

Ao provarmos podemos notar que a cerveja tem corpo e carbonatação baixos. Enquanto que no paladar as notas ácidas e láticas surgem em primeiro plano acompanhadas de um frutado de cereja e notas de umami. Em segundo plano ainda encontramos a presença de notas trazidas pela Brettanomyces, como couro e uma percepção selvagem.

O aftertaste traz notas láticas e animalesco, mas sem ser agressivo e ainda mantendo a refrescância. E talvez essa seja a cerveja com final mais seco e limpo que tenha provado.

A Fruchte Weisse é uma cerveja que traz complexidade sem ser extrema, que apresenta o uso de leveduras de uma maneira primorosa. Não é uma cerveja fácil de beber, mas é uma experiência que vale a pena passar pela qualidade do trabalho realizado pelas cervejarias.

Para a harmonização temos um desafio. Por ser uma cerveja com notas complexas e equilibradas temos que pensar com carinho nas opções.

Minha sugestão é harmonizarmos com uma pavlova de frutas vermelhas. A construção desta harmonização irá buscar contrastar a acidez da cerveja com o dulçor da pavlova e com isso colocamos todo o foco nas cerejas usadas na cerveja que ainda serão apoiadas pelas frutas vermelhas da sobremesa.

Prost!

Fabrizio Guzzon

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.