Festa de Milhões, Oktoberfest – Parte 3

By | 27 de outubro de 2014

A edição Catarinense da Oktoberfest chegou ao final e junto vem a última parte do post sobre esta que, também no Brasil, é uma mega festa popular. Fechando a série vamos descobrir alguns números extensos que representam toda a grandiosidade que é a Oktoberfest!

Festa e as Rainhas

A festa catarinense acabou no domingo mas a coluna de nerdices só vai ao ar na segunda (quando não atrasa). Por tanto hoje eu falar das últimas curiosidades e assim deixar todos preparados para o próximo ano.

Vocês ouviram falar que a festa se iniciou a  partir de corridas de cavalo e na sequencia ocorreu o casamento do príncipe Ludwig I com a princesa Therese. Situando a história de forma mais conexa, ela inicia-se em 1786 com as corridas de cavalo, na mesma região aonde acontece atualmente a Oktoberfest.

O responsável por organizar as corridas ofereceu em homenagem a família real da Baviera uma festa dedicada aos mesmos. Aproveitando o festejo do local, e o sucesso das corridas, uniu-se ali a festa de casamento em 1810 e assim simbolizando um grande presente a família real. Este acontecimento atraiu muitas pessoas e com o sucesso do festejo se iniciou a tradição anual naquele local. Com o passar do tempo as corridas de cavalos foram ficando de lado, a instalação de uma ferrovia permitiu que mais pessoas participassem e a cerveja finalmente ganhou destaque, caracterizando assim o início da Oktoberfest.

Oktoberfest 1908

A introdução da cerveja acontece pelo fim do ciclo de produção calhar exatamente durante a realização da festa. A cerveja naquele tempo era produzida durante o inverno, Outubro até meados de Abril, e por não haver um modo ideal de armazenagem a frio a cerveja era estocado em cavernas ou grutas com gelo obtido da estação, durante o verão. Chegando em setembro as cervejarias possuiam uma grande necessidade de esvaziar os estoques, do ano corrente, para logo iniciarem uma nova produção. Desta forma, festas cervejeiras eram de bom grado para ajudar a se desfazer de tudo que tinha restado nos estoques e assim começar do zero no próximo mês, fechando o ciclo.

Chapéu

Chapéu diferente

Semana passada falei sobre as vestimentas mas deixei de fora o “tradicional” chapéu usado por todos. Este item é um adereço opcional, ele não faz parte da tradição e a sua versão de feltro verde é na verdade um chapéu de caçador, usado por toda a Alemanha. Pode parecer estranho pois na Oktoberfest nacional ele parece em destaque mas ele não é de tradição. Há inclusive outros tipos de chapéus para se usar, sendo igual ou diferente para homens e mulheres. Normalmente é enfeitado com penas de aves selvagens, medalhas, flores e outros adereços que sejam compatíveis com a festa.

De modo algum, deve se usar camiseta de malha, tênis, jeans ou qualquer outra vestimenta que não seja a combinação tradicional, isto simboliza um desrespeito.

Antes do início da festa há um desfile com as cervejarias Augustiner, Hacker-Pschorr, Hofbräu, Löwenbräu, Paulaner e Spaten (as 6 principais da cidade) adentrando ao Wiesn. Essa tradição iniciou-se em 1887 quando um cervejeiro local levou para o Wiesn seu equipamento e seus funcionários em carruagens.

Desfile da FestaO desfile acaba com a chegada do primeiro barril ao Wiesn, exatamente ao meio dia, para que possa ser aberto pelo prefeito da cidade. Para engatar o barril deve-se marretar uma torneira com um martelo especial em apenas um golpe, porém as melhores tentativas sempre precisaram de duas marteladas e a pior de 19. Sobe o grito de O’zapft is ou Es ist angezapft! (Está engatado) a festa é oficialmente declarada aberta e todos os participantes podem começar a trabalhar.

No primeiro domingo da festa há um segundo desfile e desta vez o objetivo é mostrar a roupas tradicionais. Diversos grupos vestidos a caráter, cada qual de uma forma, desfilam por 7Km em carruagens abertas. Este desfile, assim como toda a festa, é um dos maiores do mundo.

Vista da Festa

Vista noturna

A Oktoberfest atualmente conta com aproximadamente 6 milhões de visitantes, principalmente estrangeiros. A maior tenda na festa pertence a cervejaria Hofbräu e comporta 10 mil pessoas de uma só vez. Há uma regra que diz sobre o comportamento da festa até as 18h de cada dia, neste período apenas musicas tradicionais podem ser tocadas e a um volume mais baixo, caracterizando-se mais uma festa popular e para a família. Após este horário o som aumenta, o ritmo pode variar, o consumo de cerveja desanda e deixa muitos tradicionalistas bastante chateados.

Caneca da FestaNa festa há 14 tendas grandes e 15 pequenas para que todos possam aproveitar o local e sempre terem a cerveja por perto. As Maßkrüge (canecas tradicionais), que atualmente são de vidro, pertencem as cervejarias ali presentes e cada caneca é enchida em 1,5 segundos de chope, sendo que o Maß é uma medida que equivale a 1,069 Litros. Lógico que cada pessoa pode adquirir sua própria caneca e assim ela é demarcada. Há muitos furtos de canecas e nesse caso há uma lei que condena e multa o furto destas. Portanto na Oktoberfest nada de roubar a caneca, a acusação e multa de furto destas é algo bem comum e na verdade não deve ser praticado em nenhum local do mundo.

O campo de Teresa possui um tamanho de 42 Hectares (1 Hectare = 10.000 m²), sendo 31 Hectares de área útil. O recorde de público aconteceu no jubileu de 1985 com 7,1 milhões de visitantes. Há 100.000 mil lugares para se sentar, 12.000 mil pessoas trabalham anualmente na festa e desse total 1.600 são garçons. Em média todo ano são consumidos 60.000 Hectolitros, isto é, 6 milhões de litros de cerveja, nem todo mundo bebe! Em torno de 500.000 mil frango assados e 25 toneladas de peixe são servidos, nada de joelho de porco por lá. Cada pessoa, por dia na Oktoberfest, gasta em média 53 Euros isto rende a festa 450 milhões de Euros e em total a cidade fatura 830 milhões com todos os gastos dos visitantes, apurado em 2009.

Evolução anual do consumo por visitante, em milhões.

Visitantes (Azul) x Consumo de Cerveja (Vermelho), em milhões.

Outras Oktoberfest famosas no mundo são a de Qingdao na China com média de 3 milhões de visitantes, Kitchener no Canadá com 700.000 mil visitantes e nossa Blumenau com 600.000 mil visitantes. Há também outras menos expressivas nos EUA, Austrália, Russia e Japão. Na própria Alemanha a festa é mais popular no Sul, principalmente em sua cidade, mas também conta com uma em Hannover com 900.000 mil visitantes anuais, sendo a segunda maior da Alemanha. Na região norte da Alemanha as tradições acabam sendo um pouco diferentes mas em geral é um país que possui muitas festas cervejeiras o ano todo.

Há ainda muitos outros número a se apresentar como o estudo de custo feito por um banco, aonde são apurados todos os detalhes econômicos. Também outras curiosidades envolvidos na festa como a segurança policial, o fornecimento de energia, o tratamento de esgoto, etc, mas que não vem ao caso e acabam não sendo tão interessantes no meio desta mega festa.

6 thoughts on “Festa de Milhões, Oktoberfest – Parte 3

  1. Anselmo Mendo

    Muito bom. Não imaginei que houvesse uma festa tão grande na China. Luquita, estes dados estatísticos que você deixou de fora acho que valeriam uma parte 4, heim? Parecem interessantes sim!

    Reply
  2. Daniel Córdova

    Fala Luquita!
    Eu só sei que preciso visitar a Oktoberfest de Munique pelo menos uma vez na vida.
    Gostei de saber que tem em Hannover também. Se for na mesma época dá pra dar uma esticada até lá.
    Tem que organizar o pessoal aqui do blog pra nos encontrarmos em Blumenau ano que vem, tanto na Oktoberfest, quanto no Festival Brasileiro da Cerveja em Março.
    Vale a pena também comentar que os copos em Munique são de vidro, enquanto que aqui são de plástico (descartável), ou você leva/compra sua caneca de alumínio com uma faixa pra deixá-la pendurada no pescoço e não perder na bebedeira.
    Curioso mesmo ver que o consumo de cerveja não tem ligação direta com a quantidade de visitantes (ou talvez até tenha, de uma forma inversa). Acho isso legal, pois demonstra que o público vai pra se divertir e não só pra beber até cair.
    Prosit!

    Reply
    1. Luquita da Galera

      Legal será emendar a Oktoberfest da Alemanha com a daqui.

      A questão de copos já é um índice de educação né, mostra como lá eles podem confiar mais em liberar o copo de vidro.

      Reply
  3. Fabrizio Guzzon

    Grande Luquita!
    Muito bom o artigo, e corrigiu a impressão que eu tinha de que a festa do Brasil era a segunda… de fato faz muito mais sentido a festa chinesa ocupar o segundo lugar. E se eles quisessem ocupariam o primeiro só com a população local… rsrs
    E o mais interessante, pelo menos para mim, são os numeros apresentados. No gráfico fica claro que o consumo de cerveja per capita tem reduzido, dá para tirar inumeras conclusões de um gráfico como este… para mim, o mais interessante é ver que o aumento do publico não trás maior consumo de cerveja.

    Abç
    Guzzon

    Reply
    1. Luquita da Cerveja Post author

      Legal seria ver os chineses com as roupas alemãs rs…

      Sobre o consumo não ter aumentado tem muito haver com as regras impostas há algum tempo, que deixam a festa mais familiar até as 18h e depois disso é só para os fortes!

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*