Um papo com Marcelo Stein – Beercast #117

By | 5 de agosto de 2015
Um papo com Marcelo Stein – Beercast #117

Um papo com Marcelo Stein – Beercast #117

Hoje é dia de pioneirismo cervejeiro no Beercast! Conversamos com Marcelo Stein, que vai nos mostrar toda a sua paixão pela cerveja.

O Marcelo é uma peça importante na história da cerveja especial no Brasil,  ele foi responsável pelas primeiras garrafas de Erdinger que chegaram aqui e também criou recentemente a Academia Barbante, que ensina a degustar conhecimento.

Confira o bate papo regado a ótimas cervejas.

Links comentados durante o episódio:

BeerGifts

Download

Trilha Sonora

  • Stevie Ray Vaughan – Love Struck Baby
  • Stevie Ray Vaughan – Pride and Joy
  • Stevie Ray Vaughan – Texas Flood
  • Stevie Ray Vaughan – Tell Me
  • Stevie Ray Vaughan – Testify
  • Stevie Ray Vaughan – Rude Mood
  • Stevie Ray Vaughan – Mary Had a Little Lamb
  • Stevie Ray Vaughan – Dirty Pool
  • Stevie Ray Vaughan – I’m Cryin’
  • Stevie Ray Vaughan – Lenny

Acompanhe e entre em contato com o Beercast:

Clique no play no inicio da página e escute nosso episódio. (43:29 de duração)

Avalie abaixo quantas tampinhas este programa merece.

18 thoughts on “Um papo com Marcelo Stein – Beercast #117

  1. Fabrizio Guzzon

    Salve galera!
    Ótimo programa, demorei para conseguir ouvir…
    Ainda não fui conhecer o eataly em SP, mas já passei na frente algumas vezes indo para São Roque e o tamanho e fachada do predio impressiona. Quero conhecer por dentro agora!

    E minha cerveja de entrada não foi a Erdinger… foi a Bohemia Weiss, depois dela tomei uma Erdinger e fiquei duplamente surpreendido pela diferença dentro do mesmo estilo de cerveja.

    Abç
    Guzzon

    Reply
  2. Eder

    “Não vamos colocar regra. Vamos deixar a regra aberta, mas, quando quebrarmos a regra, vamos dobrar a regra”.

    Reply
  3. Kadu Lima

    Mais uma vez, muito legal o programa. Muito bom o papo com o Marcelo.
    Minha primeira experiência com as especiais foi com a finada Bohemia Weiss.
    O ritual do serviço realmente foi algo sensacional. Sem contar a descoberta de novos sabores, aromas, etc A princípio o sabor era caracterizado pela minha esposa como “massinha de dentista” rsrsrs
    Depois dessa experiência veio a Erdinger, Paulaner aí já era tarde haha.

    Vida longa ao Beercast.

    Reply
    1. Anselmo Mendo

      Valeu Kadu! Uma weiss sempre impressiona a gente quando provamos pela primeira vez! “Massinha de Dentista” ainda não tinha ouvido, haha. Abração!

      Reply
  4. João

    Sem querer ser chato, mas já sendo…
    Estou sentido falta dos Reviews de cerveja 🙁

    Reply
    1. Anselmo Mendo

      João, tudo bem? Quando fazemos reviews também recebemos mensagens do tipo “estou sentindo falta das entrevistas”, :D. Tentamos aproveitar as oportunidades e ao mesmo tempo balancear o conteúdo. Logo, logo tem mais com nossa análise e desarmonização de cervejas.

      Reply
  5. Carlos

    Fala pessoal.

    Comecei no mundo das cerveja especiais em 2014 com Erdinger também.

    Parabéns pelo beercast.
    Abraço

    Reply
  6. Luís Gustavo Rampazo

    Black Keys no episódio anterior… Steve Ray Vaughan neste (tal como em outro há pouco tempo)… Definitivamente, este é o podcast com MELHOR TRILHA SONORA!!! Continuem! =D

    Reply
  7. Eduardo Cabrini

    Fala galera! Muito legal o papo com o Marcelo! Agradeço imensamente o cara por ter nos iniciado neste maravilhoso mundo! Minha primeira vez também foi com uma Erdinger como a maioria! E o Anselmo me deixou com água na boca falando do macarrão “canudinho”, Hahaha!
    Agora sobre o programa da semana passada com a Fernanda, ele não foi só Meibon foi inteiro bom…tudutz! Hahaha! Abraços a todos aí direito de Araraquara!

    Reply
  8. Luquita da Cerveja

    Fala pessoal, ótimo programa.

    É sempre legal conhecer um pouco mais da história e dos pioneiros da cerveja aqui no Brasil. Como o Daniel citou abaixo e eu comentei, acredito que podemos tomar o Marcelo Stein como referência de pioneirismo na área de importação.

    Eu sempre tive na cabeça que a Paulistânia era uma cervejaria artesanal independente e que depois foi comprada pela Bier & Wein mas parece que nasceu realmente lá dentro.

    Queria muito colecionar os rótulos mas são tantos que fica impossível rs.

    Preciso voltar ao Eataly, fui antes de inaugurar a cervejaria… já tinha comido e bebida bem (não barato) mas agora parece que está ainda melhor, de fato o preço das cervejas é bom.

    Achei meio estranho o Rica estranhar as notas frutadas, a não ser que sejam frutas muito diferentes mas Weiss bem tradicional tem frutas amarelas, brancas e passas aos montes.

    Bom é isso… abraços!

    Reply
    1. Anselmo Mendo

      E aí Luquita? O Ricardo é o único que estava tomando a weiss na hora da gravação. Um garçom serviu e eu e os outros acabamos ficando com a Paulistânia. Provando depois, acho que ele fez o comentário porque a cerveja se parecia muito com uma wit. Mas de qualquer forma, muito boa de beber. Podia fazer um encontro da Confraria MegaUltraOstentação lá no Eataly, heim?

      Reply
  9. Daniel Córdova

    Fala pessoal!

    Muito legal o programa. Quando o Marcelo se apresentou como o “pioneiro em cervejas especiais no Brasil” pensei: eita nóis, lá vem. Lembrei do Luquita e a saga dele contra as cervejarias que se dizem as primeiras (Bohemia, Ashby, etc). Mas aí vi que era verdade mesmo e fiquei de cara hahaha. O cara que trouxe a Erdinger pra cá tem essa moral pra falar isso mesmo. Parabéns pra ele pela visão e por ter investido nisso!

    Acho que não foi com as Erdinger que comecei nesse mundo, a primeira cerveja “diferente” que lembro ter tomado foi uma Eisenbahn, mas foi uma Weiss também. Já devo ter falado isso aqui em algum outro programa, mas tudo bem.

    To muito curioso pra conhecer o Eataly. Preciso organizar uma data com a patroa pra dar mais uma passeada aí em SP, quem sabe já aproveito e faço o visto pros EUA, porque já to planejando a próxima beertour hehe

    Abraço!

    Reply
    1. Anselmo Mendo

      E aí Daniel? O Eataly é um lugar bem legal. Não é barato, apesar que as cervejas e, principalmente, os chopes tem um bom preço. Mas vale muito a viagem. Beertour nos Unitedstates? Já vai pensando aí nos posts pra sua coluna nova também, hein? Abs!

      Reply
    2. Luquita da Cerveja

      É vdd Daniel mas em termos de importação não sei dizer quem foi pioneiro, é fato que as Erdingers foram as primeiras a chamar a atenção. Aqui em SP tem o Frangó que já possui várias cervejas a muito tempo mas pelo que eu sei era o dono do local que trazia por conta própria, acredito que da pra ter um marco inicial se pensar em importação e distribuição de larga escala.

      Da próxima que vier para SP vamos tomar algumas junto!

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*