Reinheitsgebot – 500 anos de Lei de Pureza – Beercast #155

By | 27 de Abril de 2016
Reinheitsgebot - 500 anos de Lei de Pureza – Beercast #155

Reinheitsgebot – 500 anos de Lei de Pureza – Beercast #155

Para o episódio de hoje, Rica Shimoishi trouxe 500 anos de história da Lei de Pureza com a companhia de nosso amigo Luquita da Cerveja.

Confira como foi esse bate-papo.

Cervejas do Episódio:

Comentados durante o episódio:

BeerGifts

Download

Trilha Sonora

  • Neidhart – Meie din liechter schin
  • Diversos – Minnesang Songs

Acompanhe e entre em contato com o Beercast:

Clique no play no inicio da página e escute nosso episódio. (01:07 de duração)
Avalie abaixo quantas tampinhas esta cerveja merece.

21 thoughts on “Reinheitsgebot – 500 anos de Lei de Pureza – Beercast #155

  1. Pingback: Cerveja Perro Libre Sorachi Berliner – Beercast #200 - Beercast Brasil

  2. Vinicius Rodrigues

    No tópico do Luquita ensinando a falar eu mandei meu áudio nível alemão profissional. Não teria dado tanto garrafada haha

    Boa aula de história, o duque era um safado, isso sim.

    Abraço

    Reply
    1. Anselmo Mendo

      Seu áudio ficou muito bom, Vinicius. Mas o Renato exagerou nas garrafadas para o Ricardo, não ficou tão ruim assim.
      E esse Duque era praticamente um Eduardo Cunha!

      Reply
  3. Daniel Córdova

    Fala pessoal!
    Depois de alguns contratempos consegui ouvir o episódio, que achei muito legal e informativo.
    Acho importante sabermos o que a Reinheitsgebot é (ou era, porque hoje é só simbólica) e enfatizar os motivos dela ter existido. Essa história de água, malte e lúpulo é muito bonita e, principalmente, os iniciantes em cervejas “especiais” ficam bitolados nisso e se esquecem que os Belgas fazem coisas bem malucas e com resultados excepcionais.
    Gosto muito da escola alemã. O legal é que mesmo com toda a limitação da lei, eles conseguem criar coisas bem distintas e originais.
    Abraço!

    Reply
    1. Anselmo Mendo

      E aí Córdova?
      A pesquisa do Ricardo ficou bem legal mesmo.
      Acho que aqui no Brasil, em nome do momento cervejeiro que vivemos, muita gente se aproveitou pra criticar a tradição alemã e ganhar pontos com o marketing. Acho isso uma besteira. Toda a história e tradição da produção de cerveja é tão interessante justamente pela importância e relevância que ganhou principalmente na cultura ocidental. Conservadorismo/Tradição e Inovação/Porraloquice nunca se anulam.
      Você já fez alguma receita alemã na panela?
      Abração!

      Reply
      1. Daniel Córdova

        Fala Anselmo!
        Tentei fazer uma Pilsen, mas ficou esquema meio Chaves. Ficou uma pilsen com cor de pale ale e aroma de weiss hahaha Meu pai adorou, deixei tudo com ele.

        Reply
  4. André Novgorodcev

    O programa foi muito bom e muito instrutivo. Mudou minha visão sobre a lei da pureza, achei que era algo focado na qualidade da cerveja, mas é mais pra game of thrones mesmo. kkk

    Gustavo, vc esqueceu de colocar as tampinhas que deram para as cervejas aqui no Post.

    As vezes me pergunto como vcs mantêm o patrócinio da cerveja store mesmo mandando a galera comprar Duff lá e dizendo que as cervejas demoram pra chegar ou são entregues no lugar errado mesmo. (Pessoal do cerveja store, tô brincando viu. Eu conheci o site de vcs através do beercast.)

    Reply
    1. Anselmo Mendo

      E aí André. Isso aí, pega no pé do Gustavo. Ele não colocou as tampinhas, disse que consertaria isso, mas não fez pra variar.
      A gente pega no pé da CS justamente pro pessoal ver que tentamos ser bem honestos nas nossas indicações. Eles têm algumas falhas que precisam ser corrigidas e nos garantem que estão correndo atrás disso. Mas continuamos recomendando porque acreditamos que ainda é uma boa empresa.
      Já a Duff, fazemos só de sacanagem mesmo 😀
      Abração e obrigado pelo contato.

      Reply
  5. Fabrizio Guzzon

    Salve Galera,
    Muito bom o programa, foi praticamente uma aula de história.
    Acho que a lei foi fundamental para a criação da escola alemã como conhecemos hoje, e é fundamental que o mercado cervejeiro tenha este contraponto aos desenvolvimentos inovadores que vemos hoje em dia, com misturas e adições na cerveja.
    Acho a inovação tão legal quanto, mas é importante termos a tradição como base para tudo isso.

    Abç
    Guzzon

    Reply
    1. Anselmo Mendo

      Exatamente o que também acho Guzzon. A “Lei da Pureza”, que hoje, como sabemos, não é exatamente uma “Lei”, tem seu enorme valor de fortalecer a tradição. Tem muita gente diminuindo o valor disso ultimamente.

      Reply
  6. Lucas F. Zurwellen

    Olha ai que programa sensacional, o melhor sem dúvida.

    Apesar das garrafadas né…

    Uma minha, qdo falei que o certo é Baviera pq vem do latim, eu mesmo errei. A versão do latim é Bavária e a forma que derivou do Grego é Baviera.

    O Rodrigo Reis mandou também: “O Pasteur descobriu sobre as leveduras o Cralsberg isolou a primeira levedura.”

    Além da questão do Chill Haze, eu só lembrei da palavra Haze… quase lá.

    E valeu ao Renato que não cortou as minhas piadas ruins, rs.

    Abraços

    Reply
  7. Allan George

    O nome do (d)efeito mencionado no podcast que aparece na cerveja quando gelada é chill haze, é causado por uma concentração grande de proteínas na cerveja que quando resfriada tentem a se aglutinar em partículas maiores, causando a turbidez.
    Porém, pode não ser considerado um defeito em certos estilos.

    Reply
    1. André Novgorodcev

      As afinal, a breja mencionada sofreu de Chill Haze ou era turva mesmo?

      Reply
      1. Lucas F. Zurwellen

        Caraca a gente esqueceu de olhar, eu continuo achando que era Chill Haze.

        Reply
  8. Fabrizio Guzzon

    Salve,
    Vou ouvir agora, mas acho que o feed está com problema
    Abç
    Guzzon

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*