Cerveja Urbana Chuchupa – Beercast #153

By | 13 de abril de 2016
Cerveja Urbana Chuchupa – Beercast #153

Cerveja Urbana Chuchupa – Beercast #153

Para o episódio de hoje, Renato Martins trouxe a cerveja Urbana Chuchupa para degustar em nossa mesa.

Confira como foi esse bate-papo.

Cerveja Urbana Chuchupa

Cervejaria: Urbana
Estilo: American Pale Ale
Álcool (%): 5.8% ABV
Temperatura: 5-7 °C
Copo Ideal: Pint

botao-comprar-cerveja

Confira a nota dos Beerquesteiros para a Cerveja do episódio:

Comentados durante o episódio:

BeerGifts

Download

Trilha Sonora

  • Mamonas Assassinas – Pelados em Santos
  • Mamonas Assassinas – Vira-Vira
  • Mamonas Assassinas – Chopis Centis
  • Mamonas Assassinas – Mundo Animal
  • Mamonas Assassinas – Jumento Celestino
  • Mamonas Assassinas – Robocop Gay
  • Mamonas Assassinas – Cabeça de Bagre
  • Mamonas Assassinas – Débil Mental
  • Mamonas Assassinas – 1406
  • Mamonas Assassinas – Bois Don’t Cry
  • Mamonas Assassinas – Sábado de Sol
  • Mamonas Assassinas – Uma Arlinda Mulher
  • Mamonas Assassinas – Lá Vem o Alemão
  • Mamonas Assassinas – Sabão Crá-Crá

Acompanhe e entre em contato com o Beercast:

Clique no play no inicio da página e escute nosso episódio. (33:00 de duração)
Avalie abaixo quantas tampinhas esta cerveja merece.

20 thoughts on “Cerveja Urbana Chuchupa – Beercast #153

  1. Fabrizio Guzzon

    salve galera!

    Vou falar…. já vi esta breja várias vezes nas prateleiras dos bares que vou… e sempre que veja esse chuchu no rótulo penso que consigo algo melhor pelo mesmo preço… não consigo acreditar que vou beber algo ‘novo’ só pq colocaram chuchu.. é como se fizessem uma cerveja com adição extra de água…

    Quem sabe em uma promoção eu compre para provar… rsrs

    Mas concordo em uma coisa… as cervejarias entraram em uma vibe de lançar rótulos com muita frequencia, muitas vezes só para capturar o consumir que é ‘colecionador de rótulos’ (mais ou menos como eu… ) que acaba se interessando por provar sempre uma novidade… O problema é que as vezes estes rótulos novos são a mesma coisa que antes, com 1% de variação..

    Abç
    Guzzon

    Reply
  2. Bruno Bertolossi

    Anselmo, uma puta pumpkin brasileira é a Jerimonster, da Guilda GIV de Barretos, e de quebra eles também tem uma baita cerveja com beterraba, a Terra Roxa, vale a pena experimentar.

    Reply
      1. Bruno Bertolossi

        Vai sim que vale a pena! Até o Menno da De Molen foi atrás de saber mais sobre a Terra Roxa, que vai beterraba. hahahahha

        Reply
  3. Lucas F. Zurwellen

    Fala pessoal, desta vez só passando pra dizer um bom programa mas sem demais comentários pq já não lembro o que iria falar e precisaria ouvir novamente mas to tão sem tempo rs…

    Abraços

    Reply
  4. Vinicius Cremasco

    Comentários rápidos:
    Clamato é horrível. É uma tendência mexicana, eles fazem uma mistura de tomate, pimenta, outros temperos e misturam na cerveja. Inclusive, existe um drink mexicano onde eles colocam toda essa mistureba e depois jogam uns camarões dentro. Tenso…
    Nos USA Beet Beers são super famosas. Inclusive o Candy Sugar, ingrediente Belga clássico, é feito de beterraba.

    Reply
  5. Flavio Yokooji

    É bem estranho dizer isso, mas a cerveja que mais gosto a Urbana é a “Fio Terra”. Muito complicado chegar no bar e pedir um fio terra! Rs.
    Quanto a CHUCHUPA, eu vi pouquíssimas vezes para vender e não me apeteceu. Por isso não experimentei ainda.

    Reply
  6. Afonso

    Eae galera,

    Sobre a cervejaria criar muitos rótulos de baixa qualidade, eu acho um tiro no pé da cervejaria, pois as pessoas pode conhecer a cervejaria por essa cervejas de baixa qualidade é não experimentar as cervejas boas…

    Reply
    1. Renato Martins

      Pois é, Afonso, foi o que o Rica falou… Os caras não podem errar…. Eu tb sou contra isso ai, mas cada um sabe qual é a melhor estratégia para o seu negócio.

      Reply
  7. Daniel Córdova

    Fala pessoal!

    Devo dizer que compartilho das opiniões do André quanto ao tamanho das garrafas. Sem contar que é difícil matar uma Imperial Stout de 600 ml sozinho por exemplo.
    Inclusive nas minhas cervejas priorizo essas garrafas de 310 ml, porque consigo ter uma quantidade maior para presentear e a produção dura mais tempo. Tenho engarrafado bastante nelas e alguma coisa em 500 e 600 ml pra tomar quando tem mais pessoas junto.
    No entanto, realmente dói 18 reais uma garrafinha dessas. Aqui deve chegar mais caro ainda. O bom é que consigo Tupiniquim a preços bons por aqui devido à proximidade com o RS. Sempre tem Polimango por uns 12 reais no mercado.

    Aqui em SC a cervejaria Dom Haus tem uma Imperial IPA com beterraba, chamada Dom Napoleão. Achei boa, mas um amigo já não gostou muito porque disse que ela domina o sabor. Não achei, mas vai ver tomamos lotes diferentes.
    Também já provei uma cerveja de um amigo que leva hortelã. Era bem evidente e casou legal com a cerveja.

    Agora, sobre a Chuchupa não tenho muito o que falar, nunca tomei e odeio chuchu. Mas aproveitando a deixa pra trocadilhos, um bom aqui da região seria alguém fazer uma FlorIPA (e acho que eu posso ser esse alguém).

    Valeu!

    Reply
    1. Renato Martins

      Hehhee trocadilho maroto esse ai! Duvido que não exista ainda… Muito bom. Uma garrafinha por 12 reais, é caro, mas da pra comprar uma diferente pra provar…. Mais do que isso acho complicado. Precisamos fazer um tour por ai e provar as suas cervas tambem!!!!

      Reply
  8. André Novgorodcev

    Achei o Episódio muito interessante e confesso que a cerva de chuchu não despertou meu interesse.

    Eu gosto de cervejas em garrafas pequenas. Como sou adepto do beba menos mais beba melhor, consigo experimentar uma maior variedade de brejas e se não gostar de alguma, não tenho que matar 600ml dela. O que é complicado é uma cerva de 300ml custar R$ 18. Daí dói o bolso.

    Vcs citaram algumas cervejas com ingredientes estranhos, e já tomei 3 que merecem comentários
    – Alright Then! – American Pale Weat Ale feita com melancia e menta fresca. Muito refrescante, refrescante até de mais diria. Tomei nos EUA
    – Sweet baby jesus! – Porter – Também americana, feita com chocolate e manteiga de amendoim. Cara, a manteiga de amendoim seca a boca de uma foram, que você fica com vontade de parar de tomar a cerveja e beber um copo d’água. Bizarra e extrema, do jeito que os americanos gostam.
    – Trio Sumac Ale. – Essa foi feita em Brasília e é uma Ale que leva leva um tempero árabe chamado Sumac na composição e por isso cai naquele balaio das “Herbed – Spiced – vegetable beeer”. Essa ficou bem interessante e quem encontrar por aí (provavelmente tem que ir a Brasília) recomendo que provem.

    Abraço e continuem com os ótimos programas.

    Reply
    1. Renato Martins

      Andre, acho que as garrafinhas menores seriam legais se os valores acompanhassem heheh. Voce ja provou umas ai que fiquei curioso… Lembro no email que voce mandou que tinham umas bem diferentes, cara de sorte!!!!

      Reply
      1. Marcelo Maciel

        Renato, o preço cobrado pelas garrafas pequenas é injustificado, a não ser pelo trabalho de manuseio, pois os impostos aplicados neste tamanho de embalagem é proporcionalmente menor que em embalagens maiores devido à nossa legislação porcamente elaborada.

        Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*