Cerveja Liefmans Fruitesse – Beercast #136

By | 16 de dezembro de 2015
Cerveja Liefmans Fruitesse – Beercast #136

Cerveja Liefmans Fruitesse – Beercast #136

Para o episódio de hoje, Rica Shimoishi trouxe a cerveja Liefmans Fruitesse pra você que gosta da fruta.

Confira como foi esse bate-papo.

Cerveja Liefmans Fruitesse

Cervejaria: Brouwerij Liefmans
Estilo: Lambic – Fruit
Álcool (%): 3.8% ABV
Temperatura: 5-7 °C
Copo Ideal: Taça

botao-comprar-cerveja

Confira a nota dos Beerquesteiros para a Cerveja do episódio:

Links comentados durante o episódio:

BeerGifts

Download

Trilha Sonora

  • Legião Urbana – Há Tempos
  • Legião Urbana – Pais E Filhos
  • Legião Urbana – Feedback Song For A Dying Friend
  • Legião Urbana – Quando o Sol Bater Na Janela Do Teu Quarto
  • Legião Urbana – Eu Era Um Lobisomem Juvenil
  • Legião Urbana – 1965 (Duas Tribos)
  • Legião Urbana – Monte Castelo
  • Legião Urbana – Maurício
  • Legião Urbana – Meninos E Meninas
  • Legião Urbana – Sete Cidades
  • Legião Urbana – Se Fiquei Esperando o Meu Amor Passar

Acompanhe e entre em contato com o Beercast:

Clique no play no inicio da página e escute nosso episódio. (42:42 de duração)
Avalie abaixo quantas tampinhas esta cerveja merece.

13 thoughts on “Cerveja Liefmans Fruitesse – Beercast #136

  1. Andre Frank

    Buenas,

    Ótimo programa para variar. Sobre a cerveja que já experimentei quando peguei na mesma promoção citada pelo Gustavo, por uma merreca no PdA.

    Além dos tipos citados temos também as Gose, cervejas “azedas” e salgadas, mas essas tem adição de ácido lático no cozimento.

    Também gosto das azedas.

    Abraços e boas festas a todos!

    Reply
  2. Luquita da Cerveja

    Foto
    Fala galera, ótimo programa e como o Guzzon disse, foi legal ver tanta informação técnica.

    Tenho algumas ressalvas mas acho que de certa forma uma ou outra até foi comentada no programa.

    Primeiro, Geuze é blend de Lambic jovem com envelhecida por tanto o mais acido é a Lambic pura.

    Antigamente as leveduras sofriam de uma seleção natural no ambiente e por isso o local onde eram feitas as cervejas não sofriam de contaminação por outras leveduras ou bactérias depois de um tempo. A seleção natural se dava pelo fato dos produtores usarem sempre o barril ou tonel onde a cerveja tenha ficado boa e também usando um tanto restante da bebida para contaminar o ambiente, isto é, jogar cerveja que esta fermentando por todo qualquer lugar, assim fazendo com que a levedura tomasse conta do local.

    Isso hoje em dia é recriável, tanto se usando essa técnica de contaminar um ambiente ou você ter um ambiente limpo e usar leveduras exclusivas separadas para isso, ou seja a levedura que vc pode comprar por ai.

    A questão de você ter uma cerveja Lambic segue o princípio do Champagne, a bebida só pode ser chamado assim se for produzida na região de mesmo nome, no Lambeek (e mais uma província) e Champagne no caso do exemplo.

    Toda outra cerveja, produzida no mesmo estilo, deverá ser Sour Beer mas sabemos bem que nem todo mundo respeita esse tratado Europeu, que na real só vale lá mesmo.

    Sour saborisada são as Berliner Weiss, se fizer isso com uma Lambic ou qualquer outra cerveja ela vira Fruit Beer e se a Lambic for feita com fruta ela é uma Fruit Lambic, a diferença está em usar extrato ou suco de frutas e usar a fruta pura.

    A cápsula verde da Berliner Weiss é o Waldmeister (ao pé da letra é o Mestre da Floresta) que traduzindo é Aspérula odorífera, uma erva/mato muito comum na Alemanha e normalmente usado para fazer chá.

    Não só as Lambic são cervejas fermentada naturalmente, então não necessariamente antigamente as cervejas se pareciam com esse estilo. Depende muito do tipo de levedura que está presente no ambiente, assim como na bélgica tem uma predominância mais forte de Bretta e outras que favorecem o estilo Lambic, em outros regiões do mundo havia predominância da Saccharomyces Carlsbergensis e também da Saccharomyces Cerevisae.

    Lembrando que acidez é diferente de azedo, o azedume normalmente é obtido ao se adicionar uma bactéria láctea.

    Existe uma Faro no mercado que é da Lindemans e ela não é difícil de achar, muito boa também:
    http://www.brejas.com.br/cerveja/belgica/lindemans-faro

    Pra finalizar, Kriek significa Cereja, na verdade é uma espécia de cereja encontrada na bélgica e sim eu já estou no nível de cervejas bem azedas!

    Abraços

    Reply
    1. Anselmo Mendo

      Luquita, logo teremos um programa sobre a cervejaria Cantillon e aí voltaremos ao tema Lambics. A Liefmans Framboise nem é uma Lambic, é sim uma cerveja de fermentação mista que começa com processo normal de adição de levedura na brassagem e depois passa um tempo em um tanque aberto. Falaremos nisso em breve.

      Reply
  3. Fabrizio Guzzon

    Salve moçada!
    Muito bom o programa, a cerveja me agrada bastante principalmente pq é uma cerveja que mesmo sendo uma Lambic não é tão agressiva.
    Mas oque achei mais interessante foi a quatidade de informação “técnica” que vocês colocaram no episódio sobre os estilos Geuze, Lambic e Faro, alem das informações sobre o tipo de fermentação.

    E um ponto interessante que foi comentado Flávio a respeito do regionalismo da Lambic. Um dos pontos chave para ser uma Lambic é ter a participação da Brettanomyces na fermentação, e esta levedura é endemica da região do Vale do Sena e por isso se falava que as Lambics deveriam vir daquela região.

    Porem, hoje com a facilidade de se cultivar leveduras se pode comprar um pacotinho de Breta e fazer sua lambic em casa… ou quase isso… rsrs

    E só para deixar registrado… o evento foi muito bom… sem dúvida um sucesso, tirando o fato de não ter a camisa de santo agostinho do meu tamanho… rsrs

    Abç
    Guzzon

    Reply
    1. Gustavo Passi Post author

      Guzzon,

      No Tchê eu já ouvi relatos de terem feito uma lambic, mas quem tomou foi meu pai e por isso não tenho relatos. rs

      Vamos providenciar do seu tamanho, eu prometo!!! rs

      Abração,

      Reply
  4. Daniel Córdova

    Fala pessoal!
    Ouvi o programa na estrada novamente, é bom que ajuda a passar mais rápido.
    Ainda não tomei essa cerveja com gelo, mas já provei algumas vezes. Acho um tanto doce demais, prefiro a Kriek Boon mil vezes, mas é um bom keep cooler.
    Bom, por enquanto é isso.
    Abraço!

    Reply
  5. Édipo de Oliveira Rios

    Meu nome é Édipo,
    Primeira vez que comento por aqui, escuto o program desde outubro de 2014 graças a uma postagem no twitter do Wecast, parabéns a todos vocês!
    Bem, não estou no nível IPA ainda, tô mais no estilo Gustavo rs… Sou fã da Chimay Red.
    Sobre a cerveja do episódio, eu provei a On The Rocks e parece chope de vinho, eu não curto vinho rsrs
    A breja não é ruim, dou 2 tampinhas e meia.

    Reply
    1. Gustavo Passi Post author

      Édipo,

      Ótimo ter você por aqui comentando. Demorou, mas apareceu! rs

      Essa cerveja é ostentação pura, serve pra impressionar a esposa com uma cerveja com gosto de suquinho.

      Abração e apareça mais vezes.

      Abração,

      Reply
  6. Flavio Yokooji

    Pode falando para o Anselmo parar com essas férias aí! Rs. Brincadeiras à parte, ótimo programa.
    Quanto conseguirem fazer lambics apenas na Bélgica, há alguns cervejeiros fazendo fora do país com resultado parecidíssimos. Para mim, é mais um mito que colocaram para manter a fama do produto local.
    Falando da cerveja em si, eu gosto. Fica legal com aqueles cubos ou esferas bem grandes de gelo utilizados em drinks tipo esse aqui: http://icespheretech.com/wp-content/uploads/2014/11/ice-ball-maker-05.jpg

    Reply
  7. Luquita

    Olha aí, qm diria que o Rica iria trazer algum dia uma cerveja doce. Bom já adianto que gosto dessa cerveja, principalmente on the rocks mas o programa só vou conseguir ouvir qdo voltar de viagem, as conexões aqui não tão ajudando.

    Abraços.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*