Cerveja Colorado Titãs – Beercast #31

By | 11 de dezembro de 2013
Download deste episódio em “.zip” clique aqui.
Cerveja Colorado Titãs

Cerveja Colorado Titãs

Quem teve a idéia de criar a cerveja do Titãs? Porque foi escolhido um estilo Inglesa de cerveja? Porque laranja na fórmula? Porque a Colorado nunca tinha feito uma cerveja de banda de Rock? Qual é o integrante da banda que mais bebe cerveja? Todo mundo que mora em Ribeirão Preto conhece a Colorado? como foi o lançamento da cerveja do Titãs? Quais são os planos da Colorado para 2014?Nós temos sede da cerveja do Titãs! Fizemos vários episódios sobre cervejas de banda de Rock e a gente não poderia deixar essa passar em branco. Para fechar o ano com mais uma cerveja de banda vamos degustar essa cerveja que está dando o que falar.

Escute esse episódio que será o melhor episódio de todos os tempos da última semana!

Cerveja Colorado Titãs

Cervejaria: Cervejaria Colorado
Estilo: English Brown Ale
Álcool (%): 5.5% ABV
Temperatura: 5-7 °C
Preço Varejo: R$ 22,00 ~ 25,00

Avaliação da Cerveja Colorado Titãs na Comunidade Brejas
(Crie seu perfil e avalie também esta cerveja no brejas.)


História da Cervejaria Colorado

Fundada em 1995, a Cervejaria Colorado não tem medo de ser brasileira e mistura o malte e lúpulo rigorosamente selecionados, com ingredientes como café, rapadura, mandioca, mel e castanha do Pará.

Junto com tudo isso, é misturado ousadia, originalidade, colaboração e a água do aquífero Guarany, uma das maiores e mais puras reservas de água doce do mundo.

Renovando constantemente a antiga tradição cervejeira da cidade de Ribeirão Preto, nossa fábrica conta com modernos equipamentos americanos, canadenses e brasileiros.

Tudo isso, faz dos rótulos da Cervejaria Colorado premiados no mundo inteiro. E a receita desse é sucesso é não ter receita pronta. É acreditar nos sabores e na identidade brasileira para produzir cervejas interessantes, emocionantes e deliciosas como o Brasil.

Links comentados durante o episódio:

BeerNews

A nota dos Beerquesteiros para a Cerveja Colorado Titãs:

Rafa Moschetta (5 de 5)
tampinha_oktampinha_oktampinha_oktampinha_oktampinha_ok
Anselmo Mendo (4 de 5)
tampinha_oktampinha_oktampinha_oktampinha_ok
Renato Martins (4 de 5)
tampinha_oktampinha_oktampinha_oktampinha_ok
Rica Japa (3,5 de 5)
tampinha_oktampinha_oktampinha_oktampinha_amassada

Trilha Sonora

  • Titãs – Homem Primata
  • Titãs – Marvin
  • Titãs – O Pulso
  • Titãs – Polícia
  • Titãs – 32 dentes
  • Titãs – A melhor banda de todos os tempos da ultima semana
  • Titãs – Aluga-se
  • Titãs – Cabeça Dinossauro
  • Titãs – Comida
  • Titãs – Eu não aguento
  • Titãs – Sonifera Ilha

Acompanhe e Entre em contato com o Beercast:

Clique no play no inicio da página e escute nosso episódio. (33:17 de duração)

 

 

63 thoughts on “Cerveja Colorado Titãs – Beercast #31

  1. Katsumi

    Bebi a Colorado Titãs no Encontro Skynerd no Rockfellas, é suave com toque bem acentuados de café torrado e um fundinho de laranja. Mas bebi por pura curiosidade, as Brown Ales não são as minhas favoritas.
    E o pessoal do Beercast nem experimentaram, já que estavam com esse podcast agendado. 🙂

    Reply
    1. Anselmo Mendo

      Katsumi, conseguiu perceber a laranja? Acho que se não está escrito na garrafa fica impossível de notar. Mas depois que a gente lê, automaticamente “entra na fórmula”.

      Reply
  2. Alexandre Antunes

    Pessoal repassem para o Rafael Mosqueta, acredito que uma das alternativas é pressionar o Governo de SP a seguir a mesma estrategia ou abrir uma filial em MG.

    O governo de Minas Gerais deverá reduzir para 8% a alíquota do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) através da Lei nº 21.016, de 2013, assim a carga tributária nas operações internas com cervejas e chopes artesanais produzidos pelo próprio estabelecimento sera limitada a 8%. A redução será concedida à microcervejaria, entendida como a empresa cuja soma da produção anual total de cerveja e chope não seja superior a 3 milhões de litros.
    Fonte “Valor Econômico”
    Abs.
    Alexandre Antunes

    Reply
  3. Alessandro Goes

    Meus camaradas…. Fiquei muito feliz de ver como vcs estão evoluindo. que bacana. Logo estarão vendendo mais canecas e camisas do que a Polishop… Renato, na boa, a piada do Bátma é antiga né mano? Huahuhauhauhua… Que nada, foi boa… Ricardo, espero que esteja tudo andando bem com as crianças lá com a Itsuye…. Anselmo, aproveita e manda um abraço pro MT, esse estado que mais cresce… Estou morando em Lucas do Rio Verde. Aqui o pessoal é enjoado e só toma a cerva beeeeeeeem gelada, mas ainda não tem a cultura de cervejas artesanais. Que saudade de uma Dama…Lembrei que foi com vocês que fui, no bom sentido, descabaçado para esse mundo das cervas artesanais. Agora estou lecionando num cursinho pré vestibular aqui e direto falo das degustações lá em frente ao Sesc Vila Mariana… Não se esqueçam de citar que fui eu que ganhei o troneio cego lá na casa do nosso amigo Anselmo ok? Continuo Fiel ao Nerdcast, principalmente nesses últimos que estão demais. Agradeço ao Ricardo que me apresentou esse programa. O do Stephen Halkiwing foi demais. Abraços meus amigos…

    Reply
    1. Anselmo Mendo

      Grande Alessandro. Valeu pelo contato. Vou mandar o abraço para o MT, incluindo Jaburus, Capivaras e Jacarés. E vamos deixar registrado: “FOI O ALESSANDRO QUEM GANHOU O TORNEIO NÓ CEGO DE CERVEJA”. E quanto ao NC, também achei o episódio do Stephen Hawking fodasso.

      Reply
  4. Marina

    Olá, pessoas!

    Fiquei curiosíssima pra provar essa Colorado. Já está na lista!

    E fiquem mais uma vez convidados a virem a Santos pra tomar umas de frente pra praia no Palácio. De repente vocês até podem gravar o cast do Tucano aqui.

    Beijos

    Reply
    1. Anselmo Mendo

      Marina, pode ir tranquila nessa Colorado! É bem fácil de beber. Pode deixar também que quando algum de nós descer pra baixada avisamos você. Agora todo mundo tá querendo conhecer o Palácio. E se cruzar com o Tucano por aí, fala do Beercast, estamos tentando por aqui, mas ele ainda não nos deu ouvidos 🙂

      Reply
  5. Micheel Pedreira

    Dizem que ela existe
    Prá refrescar!
    Dizem que ela existe
    Prá degustar!
    Eu sei que ela pode
    Te matar!
    Eu sei que ela pode
    Te enlouquecer!…

    Cerveja de milho!
    Para quem precisa
    Cerveja de milho!
    Para quem precisa
    De Cerveja de milho…(2x)

    Dizem prá você
    Beber!
    Dizem prá você
    Aproveitar!
    Dizem prá você
    Saborear!
    Dizem prá você
    Se esbaldar!…

    Cerveja de milho!
    Para quem precisa
    Cerveja de milho!
    Para quem precisa
    De Cerveja de milho…(2x)

    Reply
  6. Leonardo Graton

    Piada que vi no @Cervejaecomida no instagram.

    Cinco horas da manhã, um homem com andar meio cambaleante caminha pela rua escura. Um carro da polícia se aproxima e os policiais resolvem averiguar a situação: – Onde vai o cidadão a uma hora destas? – Estou indo assistir uma palestra. – Palestra?! A esta hora? Sobre o quê? – Sobre os efeitos do álcool e das drogas no corpo humano. Os danos causados pela esbórnia. A farra na degradação da vida amorosa conjugal. Os impactos negativos sobre o sistema nervoso central eperiférico advindos dessa vida desregrada. Dos malefícios aos órgãos internos e também externos devastados pela ingestão desenfreada de fumo, álcool e drogas ilícitas. E a vida sem Deus no coração. – Ô meu, fala sério! E quem vai dar uma palestra desta abrangência e relevância científica a esta hora da madrugada? – Minha esposa, quando eu chegar em casa.

    Reply
  7. Felipe Raimo

    Salve salveeeeee rapaziada, mano faz tempo que eu não comento aqui, e o pessoal tem conversado bastante aqui pelo blog está sensacional mano hahahahaha mto bom!
    Então, mais um podcast fenomenal e informativo perfeitamente, olha valeu, que loco mano!

    Vamos tomar umas hoje no Chê Café 😉 É nóis…

    Reply
  8. Luquita da Galera

    Fala pessoal!

    Cara essa cerveja me surpreendeu desde seu lançamento, quando li que se tratava de uma Brown Ale, com uma boa variedade de lúpulos e Laranja!

    Quando tomei ela no encontro, esperava uma coisa muito diferente do encontrado, foi surpreendente mesmo e é muito boa! Está pau a pau com a Vixnu, Berthô e Ithaca na Colorado, poderia ficar junto com a Indica na geladeira pra refrescar a garganta todo dia.

    O interessante foi que fique pensando… será que a laranja é brasileira?… e logo venho a resposta! Pois, assim como o Guzzon disse, temos sim um estilo nacional consolidado. Não se trata de um meio termo de um Brown Ale Americana e de uma Brown Ale Inglesa.

    Afinal, após ler bastante ultimamente conclui o que define um estilo de cerveja é sua origem por fabricação, isto é, onde a cerveja é de fato feito pela primeira vez e também por uso de insumos, neste caso entende se que a cerveja ganha estilo ao se utilizar ingredientes substitutivos ou adicionais para garantir certas características que se tornarão únicas e marcantes.

    Exemplo: o uso dos lúpulos americanos que tornaram se marca registrada da escola ou a adição de condimentos nas Weissbier pelos belgas que deu ai a característica das Wit.

    Quero dizer com isso que temos uma Brown Ale Brasileira, já que temos a característica da adição da laranja nacional no produto e sinceramente também gostaria de saber qual é a origem do malte que a Colorado usa, quem sabe temos um estilo muito mais nacional ainda.

    Fora as outras cervejas da mesma cervejaria que de tão diferentes já poderiam se auto-incluir em categorias novas, afinal o BJCP ou qualquer outro não são regras absolutas e isso já vimos por ai a rodo!

    Mas enfim, esse programa realmente foi sensacional muito bom mesmo! Só uma garrafada… na hora de dar as notas, assim como o Rafael comentou dos impostos, deixem de fora a questão do preço! Assim, não deixem o preço ter um peso na nota e influenciar nela.

    A nota do Rica ficou muito destoada, pois ele deixou se levar pelo alto valor, que é 60% culpa do governo (e essa porcentagem pode chegar até 70% principalmente nas importadas), acho que não é justo baixar uma nota de uma cerveja tão boa por um fator externo não controlável. Se concentrem apenas no produto e nas suas características para avaliar as tampinhas e deixem para comentar se teriam ela na porta da geladeira em relação ao preço.

    Escrevi demais… um abraço! Rs…

    Reply
    1. Guzzon

      Fala ae Luquita,

      O exemplo que você comentou dos lúpulos americanos é muito bom… a Escola Americana é caracterizada pelo uso de lúpulos cítricos e pelo exagero (aumento de amargor ou teor alcoólico), e ninguém discute que essa é uma escola que esta ganhando muito espaço.
      É o mesmo que estamos vendo no Brasil… rapadura, café, laranja, açaí e até a tal pripiroca… são matérias primas nacionais e que estão fazendo a escola brasileira sair do jardim da infância e partir para uma pré-escola.

      Reply
      1. Ricardo Shimoishi

        hehe…
        Já deu prá ver q essa história de “Escola” vai render.
        Guzzon, gostei do paralelo com o jardim da infância e pré-escola!
        Isso q eu acho tb. O Brasil vai chegar a Ph.D. em Cervejas. Mas ainda leva um tempo…

        Obrigado pelos comentários!

        Abração!

        Reply
    2. Ricardo Shimoishi

      PQP Luquita!
      Tem começar a escrever um livro ao invés de ficar só lendo…hahaha…
      Aliás se vc pegar só os comentário que vc fez no blog já dá um livro.
      Não vou me alongar aqui (vou TENTAR não me alongar): Apesar de torcer prá existir uma Escola Brasileira de Cerveja, ainda estamos na batalha por isso.
      Apesar de já ter entendido assim, pelos meus estudos recentes, só acrescentar ingredientes diferentes, nacionais, não basta prá criar uma Escola Cervejeira. Aliás os belgas (há muuito tempo) e mais recentemente os americanos já fazem isso e não é exatamente isso que caracteriza cada escola. E, se assim fosse, todo país teria sua própria escola cervejeira, certo?
      O que conta, muito mais, é a história de como o estilo surgiu. Mas… Putz! Vamos deixar os detalhes pro próximo encontro Skynerd, ok?
      Quanto à nota, eu entendo sua posição.
      Mas talvez eu considere fatores diferentes dos seus. Passei a entender que preço é importante sim. Já que existem cervejas MARAVILHOSAS pela metade do preço das Titãs. Não vou falar qual (hahahaha) porque ainda quero fazer programa dessas cervas. Mas vou dizer que em termos de qualidade do “líquido sagrado”, mesmo de estilos diferentes, elas estão no mesmo nível da “Titãs”. Então não seria justo a mesma nota, considerando o esforço para torná-la mais barata. Sim o imposto influencia. Mas será que a margem de lucro é rigorosamente igual?
      Eu tenho dúvida. Vc não?
      Reflexões prá vc, Luquita!
      Vc é o cara! Obrigado pelos comentários. Isso sempre enriquece o Mundo Cervejístico!

      Abração!

      Reply
      1. Luquita da Galera

        Rica quem me dera escrever, tenho que ler muito ainda rs… ano que vem faço meu curso de sommelier pra agregar valor!

        Acredito que o que define bem uma escola são os próprios estilos, as vezes 1 estilo define uma escola, vide a Tcheca, ou então a formação de vários estilos inéditos como fizeram os ingleses e por fim os estilos adaptados dos americanos.

        É verdade, tb que cada lugar inventa muitos estilos mas é a consolidação e a aceitação destes pelo público que os caracterizam como próprios do local. O caso Colorado é um grande exemplo para se definir estilos nacionais e a Titãs pode ser mais uma, não que já seja. Por um lado isso é a história se desenvolvendo mas por outro é mais uma questão de aceitação de mercado e da originalidade de se usar insumos locais.

        Agora voltando a questão nota x preço, já que você tocou na questão margem de lucro a própria cerveja poderia receber uma nota maior se você a comprar em um local onde se visa um porcentual menor desta margem, rs…

        É verdade que sim, temos visões diferentes mas eu ainda considero sempre avaliar independente do preço o produto. A questão que irão me tendenciar a comprar produto X ou Y será sim determinada pelo preço em relação a nota. Se, como você diz, há cervejas tão boas quanto a Titãs mas com preço menor é fato que na hora da compra irei pender a comprar a outra mas não posso desmerecer a nota de uma por causa do preço dela, ainda mais se este foi influenciado por fatores externos não controláveis e variáveis.

        Abraços

        Reply
        1. Anselmo Mendo

          Luquita,
          Acho que você tem certa razão quanto a nota, mas o nosso objetivo no Beercast é formar uma percepção bem abrangente (e singular) sobre a cerveja. Não tem nada de muito técnico nisso. Menos ainda nossas opiniões são definitivas. Eu, por exemplo, crio um parâmetro, digamos, bem humorado para minhas avaliações. Acrescento pontos para trabalhos gráficos diferenciados nos rótulos, levo em conta a história e os personagens (aumentei minha nota na Biritis só por causa da homenagem ao Mussum) e tiro pontos quando o dono da cervejaria é meio mala (e vou tentar deixar isso mais claro na hora das tampinhas). Os outros integrantes levam em questão aspectos um pouco diferentes, mas no geral, tentamos não ser muito estritos e exatos na avaliação. É o jeito do Beercast.

          Reply
  9. Julio Oliveira

    Boa noite galera!!!!

    Ontem a noite o sono foi maior do que a ansiedade em ouvir o podcast. O F5 ficou desabilidado..rsrsrs

    Hoje fiquei com muita vontade de provar a cerveja dos Titãs depois dos comentários…quem sabe na semana que vem eu possa comprar uma para degustar…..

    Hoje vcs comentaram novamente sobre a falta de informação das pessoas sobre as cervejarias locais. Concordo com isso e eu mesmo sou um exemplo. Há pouco tempo comecei a conhecer e dar mais valor às cervejas nacionais (artesanais). Antes procurava apenas por importadas, e cada dia venho de impressionando muito com as marcas e variedades de rótulos existentes no Brasil.
    Este mês comprei 3 livros sobre cerveja e um guia interessante que vi na livraria é o “Brasil Beer – o Guia de Cervejas Brasileiras”, nele podemos ter uma visão das micro cervejarias espalhadas pelo país.

    Um abraço
    Julio Oliveira

    Reply
    1. Ricardo Shimoishi

      Falaaa, Júlio!

      Realmente é motivo de orgulho o crescimento das cervejarias brasileiras. Mais qualidade e inventividade como se vê na Titãs.
      Muito bacana que todos nós possamos estar inseridos nesse momento de crescimento do Mundo da Cerveja no Brasil.
      E sim! É muito bom (além de degustar) ler sobre o assunto.
      Crescemos a cada nova informação. Cervejística ou não.

      Abração!!

      Reply
    2. Anselmo Mendo

      Os livros logo não darão mais conta de registrar o que há de novo no Brasil. É tanta coisa acontecendo e produtores novos surgindo que é difícil até de ficar atualizado. E isso por enquanto parece ótimo.

      Reply
  10. Guzzon

    Salve Caros,

    Provei esta cerveja no ultimo encontro que fizemos no Rock Fellas, e achei muito boa. Como vocês mesmo comentaram no cast o equilíbrio entre o caramelo, laranja e café da cerveja é incrível, gera uma experiência incrível.
    E voltando aquele assunto da “escola brasileira” temos ai mais um exemplo de cerveja que usa produtos nacionais, e mais interessante ainda, usou uma laranja que normalmente seria algo corriqueiro, mas quando se explica que é uma espécie nativa do Brasil o conceito da cerveja muda completamente.
    Acho que esta proposta que Colorado tem desde sua fundação e que as demais micros estão seguindo em usar elementos típicos ou exclusivos brasileiros é o caminho para consolidar a posição do Brasil no mapa cervejeiro.
    E vocês mandaram muito bem nas harmonizações, gostei de ver!!

    Abraços
    Guzzon

    Reply
    1. Renato Martins

      Grande Guzzon!

      Realmente o toque especial dado a essa cerveja denota o carinho e cuidado na fabricação, desde a escolha do estilo até a escolha de uma laranja nativa do Brasil… ver cervejarias brasileiras mandando bem dessa maneira nos da orgulho!

      Um abraço!
      Renato Martins

      Reply
    2. Anselmo Mendo

      Essa é uma coisa que importantes chefs de cozinha já estavam fazendo há algum tempo, dando valor aos ingredientes brasileiros. Ainda bem que isso também chegou na cerveja. E tá vendo Guzzon, estamos aprendendo também sobre a necessidade da harmonização!

      Reply
      1. Guzzon

        Anselmo, tenho visto mesmo vocês falando muito mais sobre harmonização nos últimos programas.
        Acho estas dicas de harmonização no programa um adicional muito legal, quando a gente começa a partir para estas harmonizações com comida descobre um lado completamente novo das cervejas.
        Vamos falar mais, e quem sabe harmonizar mais, no próximo encontro!

        Guzzon

        Reply
  11. Rodrigo Candido (@candido_art)

    Caras, que cerveja gostosa! As brown ale já não são as minhas cervejas preferidas, e a mistura de laranja + um preço salgado ia deixar essa Colorado fora da minha geladeira. Mas ela desceu muito bem, degustei enquanto desenhava e comia gorgonzola 🙂

    Abraços e continuem com o ótimo trabalho !!

    Reply
  12. Patrick

    Excelente podcast, ainda tenho que degustar a Colorado Titãs mais a opinião de você só endossa o que vendo sendo dito desta Brown Ale (e me deixa ainda com mais vontade de experimentar-la). Algumas sugestões para casts futuros:
    Falar de algumas das brejas de cervejarias aqui de MG, particularmente sou fã da 3 lobos pele vermelha da cervejaria Backer mas tem muita coisa boa aqui na terra do pão de queijo.
    Convidar o Tucano (Nerdcast) para participar de algum programa(acho que seria fantástico um bate papo com o Jack).
    Façam um podcast sobre a Mikkeller (bem isso já disseram que esta nos planos, e vou guardar as que tenho em casa para essa ocasião).
    E é isso ai continuem com esse trampo bacana. Cheers!!!

    Reply
    1. Renato Martins

      Patrick, outro dia meu pai me trouxe de presente um kit com 4 cervejas da Backer, são realmente excelentes!!! Eu ja havia provado a 3 lobos e a pele vermelha, mas as cervejas do próprio rótulo deles ainda não, me surpreenderam muito!!! Vale o episódio, com certeza.

      Como já demos spoiler…kkk vamos fazer sobre as Mikkeller e já estou até agoniado para abrir as garrafas e voltar a degusta-las.

      Um abração e obrigado pelas dicas!
      Renato Martins

      Reply
      1. Patrick

        Renato tenho muito carinho pelas cervejas da Backer, foi esse com os 4 rótulos cervejaria (ganhei de um brother que trabalhava comigo na época) minha primeira experiencia com cerveja artesanal, lembro que tomar a Pale Ale foi tipo sair da Matrix .

        Reply
      2. Adriana Jardim

        Hummm esse cast deu água na boca! Eu já tenho o Brie, agora só falta descobrir onde eu encontro a Colorado aqui na França. Voilá, adorei a sugestão do Patrick quanto ao cast sobre a Baker. Eu até já tinha comentado com o Gustavo que a de trigo estava sempre na porta da minha geladeira no Brasil. E, por falar nisso, fiquei assustada com o aumento do preço dessa cerveja, cerca de 50 % de uns meses pra cá.
        Estou aprendendo muito com o beercast e fiquei muito curiosa para comprovar as notas de laranja da Titãs pois pensava que o sabor frutado era sempre resultado da fermentação.
        Bj e até quarta!

        Reply
        1. Renato Martins

          Olha só Adriana, a Colorado exporta para a França! Grandes chances de encontrar ela por ai…

          Sobre o resultado frutado, existem cervejas que tem essas características sem adição de nenhum componente, tem algumas outras (que é o caso da Titãs) que leva algum componente para acentuar os sabores. Ou seja, você não estava errada, existem as duas possibilidades.

          Um abraço.
          Renato Martins

          Reply
          1. Adri Jardim

            Ok Renato, eu ouvi que eles exportam pra França e gostaria de saber para qual região. Faz essa gentileza pra mim, vai!
            Tô aqui ouvindo o cast da BadenBaden e concordo com o Léo, as cervejas de trigo nacionais não perdem em nada para as alemãs. Sempre que tenho a oportunidade de experimentar uma nova Weiss eu não penso duas vezes, mas a minha preferida ainda continua sendo a da Baker.
            Até +

          2. Renato Martins

            Olha só, fiz contato com o Rafael (que gravou o episódio com a gente) e ele falou que por enquanto a do Titãs você não vai encontrar……

            Vai ter que visitar o Brasil! hehehe
            Renato Martins

      3. Adri Jardim

        Hummm esse cast deu água na boca! Eu já tenho o Brie, agora só falta descobrir onde eu encontro a Colorado aqui na França. Voilá, adorei a sugestão do Patrick quanto ao cast sobre a Baker. Eu até já tinha comentado com o Gustavo que a de trigo estava sempre na porta da minha geladeira no Brasil. E, por falar nisso, fiquei assustada com o aumento do preço dessa cerveja.
        Estou aprendendo muito com o beercast e fiquei muito curiosa para comprovar as notas de laranja da Titãs pois pensava que o sabor frutado era sempre resultado da fermentação.
        Bj e até quarta!

        Reply
  13. Rafaela Ivo

    Opa, mais um beercast na área, minha animação das quarta-feiras!
    Pô, achei bem cara essa cerveja, meu o.o
    Mas apesar disso, me intriguei com o fato de uma cerveja ter notas de laranja e café! Achei uma coisa bem intrigante haha
    Colorado é uma delícia, tô com uma Colorado Indica me esperando em casa, esperando minha cidade esquentar (pois é!) pra beber.
    Enfim, mais um beercast animado! Voto pra ter dois beercast por semana hahaha

    🙂

    Reply
    1. Renato Martins

      Poxa Rafaela, gostaria muito de fazer 2 episódios por semana, na verdade eu faria diário se fosse possível!!! hehehe Mas da muito trabalho, e como queremos fazer bem feito… só conseguimos 1 por semana por enquanto…rs

      Se encontrar ela ai pelo Sul, não hesite em comprar, vale cada centavo!!! Vale também seguir a dica do Rafael e acompanhar uma carne vermelha grelhada e um queijo Brie… show de bola!

      Um abraço.
      Renato Martins

      Reply
      1. Julio Oliveira

        Renato,

        Hoje estive me perguntando sobre o a ansiedade de esperar 1 semana para escutar o programa e ao mesmo tempo o trabalho que deve dar á vcs. Nos dê uma ideia de como são os preparativos. Quanto tempo antes vcs decidem a cerveja, como é a divisão dos trabalhos e a pesquisa. Quem faz a edição do audio……E as capas? Vcs falam tão bem dos rótulos da Colorado, mas também capricham nas capas dos programas…

        Um abraço
        Julio Oliveira

        Reply
        1. Ricardo Shimoishi

          Júlio,

          Não dá pra falar tudo. O que posso te dizer é que o trabalho de edição é do Renato Martins e que as capas são feitas pelo Anselmo.
          E eu sei que eles sempre procuram fazer o melhor possível e eu confio nesses caras!

          Reply
          1. Renato Martins

            E podemos também dizer da muito trabalho, porque desde o começo pensamos em fazer sempre bem feito.

            O trabalho do Anselmo dispensa comentários né… ele trabalha com isso, e quem quiser conhecer mais sobre os trabalhos dele: http://www.ans.pro.br/.

            Uma outra coisa que podemos falar é que fazemos o que realmente gostamos, pra mim não é nenhum sacrifício ficar horas editando um episódio e discutindo com o pessoal os detalhes, pois na hora que vemos o resultado tudo vale a pena.

            O Rica esqueceu de dizer que ele é responsável pelas nossas redes sociais Twitter… Instagram… O Gustavo cuida do nosso Facebook, contatos comerciais, etc… além disso, todos estão super envolvidos na criação das pautas e estratégias.

            Obrigado pela mensagem e pelo reconhecimento!

            Grande agraço.
            Renato Martins

        2. Anselmo Mendo

          Julio,
          Valeu pelos elogios. E como o pessoal falou, dá trabalho mas é divertido. Pra você ter uma ideia do que está rolando no momento, esse final de semana temos agendada gravação de programas (já definimos a pauta), o Renato está editando uma entrevista gigante que gravamos semana passada, o Ricardo está cuidando de uma cerveja que estamos ajudando na produção, eu desenhando coisas para o nosso novo site e o Gustavo cuidando de nossa agenda e alguns contatos. Claro que além disso temos o nosso trabalho diário e ganha pão, não tem jeito. Abração.

          Reply
    1. Renato Martins

      Graaaande Guilherme!

      Eu achei ela um pouco menos encorpada que a newcastle, acho que foi até proposital, pois como o Rafael comentou, a intensão deles era criar algo que não assustasse o público que não está tão acostumado com cervejas assim.

      Mas cá entre nós, ficou boa mesmo! Vale a pena gravar e quando fizer avisa a gente pois quero ver também.

      grande abraço!
      Renato Martins

      Reply
  14. Luís Loureiro

    Será que hoje eu consigo retomar o meu posto? ahauhuah
    Essa eu e o Renato tentamos tomar no Mondial e tinha terminado! Não tive a oportunidade de experimentar! Mas estou ansioso pra ouvir a opinião de vocês!
    E vamos marcar de gravar juntos hein!
    Abraços galera!

    Reply
    1. Ricardo Shimoishi

      hahahaha…
      Sebastian Vettel!!

      Ô Luís, ainda que vc retomou o posto. Porque, não é por nada não mas, o pessoal aqui já tava te chamando de Rubinho Barrichello…
      hehehe…

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*