Cerveja Caseira Tetris com Rodrigo Reis – Beercast #161

Por | 8 de junho de 2016
Cerveja Caseira Tetris com Rodrigo Reis – Beercast #161

Cerveja Caseira Tetris com Rodrigo Reis – Beercast #161

Hoje vamos falar da Tetris, uma cerveja caseira criada pelo nosso amigo Rodrigo Reis.

Confira como foi esse bate-papo.

Cerveja Caseira Tetris

Cervejaria: Caseiro Rodrigo Reis
Estilo: Russian Imperial Stout
Álcool (%): 10% ABV
Temperatura: 8-12 °C
Copo Ideal: Pint ou Tulipa

Confira a nota dos Beerquesteiros para a Cerveja do episódio:

Comentados durante o episódio:

BeerGifts

Download

Trilha Sonora

  • Pink Floyd – See Emily Play
  • Pink Floyd – Astronomy Dominé
  • Pink Floyd – Lucifer Sam
  • Pink Floyd – Matilda Mother
  • Pink Floyd – Flaming
  • Pink Floyd – Pow R. Toc H.
  • Pink Floyd – Take Up Thy Stethoscope and Walk
  • Pink Floyd – Interstellar Overdrive
  • Pink Floyd – The Gnome
  • Pink Floyd – Chapter 24
  • Pink Floyd – Scarecrow
  • Pink Floyd – Bike

Acompanhe e entre em contato com o Beercast:

Clique no play no inicio da página e escute nosso episódio. (47:43 de duração)
Avalie abaixo quantas tampinhas esta cerveja merece.

46 comentários para “Cerveja Caseira Tetris com Rodrigo Reis – Beercast #161

  1. Pingback: Cerveja Caseira para Iniciados com Rodrigo Reis e Flavio Yokooji – Beercast #211 - Beercast Brasil

  2. Pingback: Cerveja para Iniciados com Flávio Yokooji, Alexis Junqueira e Rodrigo Reis – Beercast #206 - Beercast Brasil

  3. Pingback: Dica do Cervejeiro Caseiro: custo de 3 receitas (British Strong Ale, American Pale Ale e American Blonde Ale) - Beercast Brasil

  4. Afonso

    Gostei muito desse podcast, depois de escutar me deu mais animo de aprende como produzir cerveja.
    Estou pensado em fazer no modo Brew in a Bag (BIAB ) por achar que o custo é menor em equipamento e pensado que irei inicialmente fazer uma produção em media de 10 litros….

    Acho que seria legal um podcast com dicas de montagem de equipamentos (sem compra pronto) e também sobre o Brew in a Bag (BIAB ) hehe

    Responder
    1. Renato Martins

      É uma das coisas que queremos Afonso, criar alguns detalhando mais esses processos. Obrigado pelo feedback e espero que crie coragem de uma vez!!! Hehe

      Abs

      Responder
  5. Vinicius Rodrigues

    Ótimo programa, não conhecia o Rodrigo pessoalmente, acabei conhecendo semana passada indo no LAMAS, mas até então nem sabia que ele trabalhava lá

    Entrei numa ‘sociedade’ com um brother que tá começando a fazer cerveja e estamos fazendo algumas, certeza que vou pentelhar bastante o Rodrigo pra pegar umas dicas.

    Mas acho que o negócio é pentelhar pra descolar uma dessa RIS do episódio que parece excelente *-*

    abraço galera.

    Responder
    1. Rodrigo Reis

      Boa Vinicius, um método legal é dividir os custos com os amigos para poder comprar os equipamentos.

      Eu sou muito possessivo com minhas coisas, então acabei comprando tudo sozinho, mas dividir com bons amigos vale a pena.

      Responder
  6. Fabrizio Guzzon

    Salve Galera!

    Muito bom o programa! A participação do Rodrigo foi muito legal, e pelo que me lembro ainda não havia tido um programa que entrasse tão a fundo na produção caseira de cerveja. Ficou com muita informação importante e pertinente ao tema.

    E chamar uma RIS de Tetris é muito bem sacado… rsrs

    Abç
    Guzzon

    Responder
  7. Luis Henrique Camargo

    Uau,
    Depois do ultimo episódio que nem falaram e nem tomaram cerveja (kkk), bom voltar a ouvir voces falando deste tema.
    Muito boa a entrevista com o Reis e espero continuarem com o mesmo o tema em outros episodios.
    Lamas sempre teve participação em minhas experiências cervejeiras.
    A primeira IPA e também a primeira cerveja artesanal que provei foi uma chamada de “Porcaria”, com rotulo do Lamas e tudo, há quase 8 anos.
    E que maravilhosa Porcaria. Hoje eles vendem o Kit desta receita,
    Quando resolvi fazer cerveja, foi no Lamas que comprei quase todos os equipamentos e inclusive a primeira cerveja foi uma APA que o Lamas fornece em um kit para 20l, com todos os ingredientes. Isto facilita quem faz a primeira brasagem.
    Mais uma vez parabéns pelo episodio

    Responder
    1. Rodrigo Reis

      Boa Luiz, de vez em quando compro um Kit da APA para fazer em casa, quando to querendo uma brejinha legal sem ficar montando receita kkkkk…. Valeu.

      Responder
  8. Gibran Malschitzky

    Muito bom! Por mais programas dos cervejeiros caseiros! PANELAAAAAA! MInha dica: Se puderem, chamem o Jamal do canal do YT Beer School, o cara vem crescendo muito e o conhecimento dele na parte cientifica da brassagem é bem amplo.

    Responder
  9. Daniel Córdova

    Fala pessoal!
    Excelente programa, o Rodrigo parece ser muito gente boa e foram muito válidas as colocações dele e a experiência dele com as cervejas caseiras.

    Percebi que já faz 2 anos que estou fazendo cerveja, apesar de terem sido só 13 brassagens. O Rodrigo tem razão ao dizer que o cervejeiro caseiro não sabe beber. A maioria acha que a sua é a melhor cerveja do mundo, quando geralmente ela realmente não é. Também fiz o curso de sommelier no intuito de aprender a avaliar melhor minha cerveja, saber identificar os off-flavors, os diferentes aromas e julgar se a cerveja está realmente boa ou não. Sou um grande crítico da minha cerveja. Enquanto a Taíse e meus amigos dizem que ela está boa, sempre acho uma merda e que tem muito a melhorar. Tenho lido muito e tentado me aprofundar nessa arte/ciência. O problema é que quanto mais fundo você entra na toca do coelho, mais você vê que as coisas não são tão simples quanto parecem.

    Recomendo pro pessoal que entende legal inglês a ouvirem o Brew Strong. É um podcast bem divertido apresentado pelo Jamil Zainasheff (da cervejaria Heretic) e John Palmer. Tenho aprendido bastante com eles.

    Gostei muito da proposta do programa e espero mais e mais sobre o tema. Pra mim, poderiam fazer uma série englobando desde o básico até o avançado. Três programas, que tal?

    Valeu!

    Responder
      1. Daniel Córdova

        Legal o texto, é bem isso mesmo.
        Ontem fui num encontro da Acerva e foi difícil tirar um feedback legal do pessoal, mas teve um cara que manja dos paranauê e que me deu umas dicas valiosas. Só por isso já valeu ter ido no encontro.

        Responder
    1. Rodrigo Reis

      Boa Daniel, acho que nerds, como nós não nos contentamos em só fazer, temos que fazer, bem feito e somos críticos de nossas crias.

      Como falei no programa, eu repito a receita até ficar do jeito que eu gosto. hoje eu tenho apenas 2 receitas que eu repetiria sem mudar nada (quer dizer a RIS ainda precisa de ajustes na fermentação, mas é só isso).

      Abraços.

      Responder
    2. Rodrigo Reis

      Ah, e tem o Podcast do Brad Smith autor do excelente software Beersmith, e é bem bom tambem, apesar de me perder um pouco, o podcast tem sempre alguém “foda” sendo entrevistado!

      Responder
      1. Daniel Córdova

        Fala Rodrigo!

        Pois é, se for pra fazer cerveja de qualquer jeito, melhor comprar uma já pronta que dá menos trabalho e é mais gostosa hahaha

        Estou na saga de ouvir todos os Brew Strong (faltam uns 70, fora os que já lançaram desde que comecei), mas depois quero partir pros do Brad Smith também, boa dica!

        Responder
  10. Maicon Luiz de Souza

    Fala Beercasteiros (!!!)
    Em primeiro lugar adorei pela menção honrosa, assim como é uma honra produzir cerveja com alguém tão gente boa e com conhecimento tão amplo quanto o Rodrigo, é sempre uma aula!
    Outrossim, o Beercast tem “culpa” direta na vontade de fazer cerveja e também na “Brasseria Lobo-Guará”, afinal , foi na Brassagem aberta com o Mestre Jaime (Fev/2014) que vimos pela primeira vez como se faz uma cerveja artesanal e decidimos nosso destino!
    No mais, grande abraço a todos e parabéns por mais um excelente episódio!

    Responder
  11. Flavio Yokooji

    Fala pessoa, beleza? Gostei bastante desse episódio. A trilha sonora estava espetacular. Logo que começou o programa com See Emily Play, já saquei que o convidado seria ponta firme!
    Acho que vale um spin-off do beercast só de produção de cervejas. Começar com o básico para o pessoal poder fazer uma cerveja e depois ter temas específicos como água, técnicas de lupulagem, tratamento das leveduras, etc…
    Na última IPA que fiz, só coloquei lúpulo no mosto primário (First Wort Hopping) e no flameout (no momento que desliga o fogo). Depois fiz dry-hopping. Fez uma grande diferença no resultado final – para melhor. Amargor agradável e bastante aroma e sabor de lúpulo. Vou tentar colocar no whirlpool da próxima vez.

    Responder
    1. Renato Martins

      É uma maneira excelente de trocar experiências… Seria legal ter mais disso. Depois nos conte como foram as mudanças nesses processos, Flavio.

      Em busca do amargor perfeito… Kkkkk

      Responder
    2. Rodrigo Reis

      Grande Flavio, tenho que agradecer o Renato, arrebentou na seleção, manteve o PF de raiz, mais viajandão… kkkkk

      Existem algumas técnicas que ajudam bastante a melhorar o amargor, tem muita coisa acontecendo “lá fora”, e tem que ficar antenado para aprender tudo ou ao menos estar consciente do que esta acontecendo.

      Abraços!

      Responder
      1. FLAVIO COSTA YOKOOJI

        Exatamente, às vezes fica difícil acompanhar tudo. Na verdade, separar o joio do trigo, mas se o beercast seguir com essa empreitada e você ajudar, certeza que irao ajudar muito os cervejeiros caseiros.

        Responder
  12. Marcos André

    Show de bola!!!!! Rodrigão é gente boa d+!!!!!

    Faz cervejas bem legais … bem produzidas.

    Mas também quero provar essa ae!!!!!!! hehehe

    Responder
      1. Marcos André Lopes

        Renatão … com certeza cairia com uma luva produzir uma receita assim … mas como cigano … o custo de investimento subiria absurdo! Por isso vemos por ae garrafinha de RIS por 40 reais … bem diferente dos 200 reais citados para fazer em casa …. hehehe Essa é a parte triste da história … esses custos x investimentos para jogar no mercado. O legal do caseiro é essa “liberdade” de criação … sem leis … sem exigências e com custos menores. Acredito que se o custo de produção comercial fosse mais barato…teríamos uma variedade muito maior de cervejas boas e diferentes … e assim o Brasil iria evoluir muito mais no mercado e em tecnicamente.

        Assim como o Luquita falou … aquela com tequila e baunilha ficou foda tb!!!!

        Responder
      1. Marcos André Lopes

        Fala Rodrigão!!!! Só li agora … mas nos falamos ontem! kkkkk

        Obrigadão por prestigiar o lançamento da cerva …. mais uma produzida como muito carinho !!!!

        Responder
  13. Lucas F. Zurwellen

    Fala galera, ótimo programa, sempre é bom ouvir alguém que manja da parada toda.

    O Rodrigo, além de muito gente boa, manda realmente bem nas cervejas. Tomei uma RIS dele que levava baunilha e tequila, incrível como as duas coisas eram perceptíveis na cerveja e bem equilibradas.

    O cara tem futuro!

    Ta na hora de voltar com a leitura de emails e msgs heim, nem que seja 5 min em um programa extra.

    Abraços

    Responder
    1. Rodrigo Reis

      Opa Luquita, muito obrigado. Sempre bom receber elogio de pessoas legais!

      Aquela breja era uma black Ipa (ou uma IBA para os chatos kkkk). Preciso brassa-la novamente, mas a proxima sera uma Pumpkin.

      Eu tambem acho que tinham que voltar a leitura de emails, assim eu voltaria a escrever mais.

      Responder
      1. Lucas F. Zurwellen

        Putz, viajei… era uma Black IPA mesmo e olha que antes de escrever eu ainda fiz uma correção mental que não era uma RIS, corretor fdp!

        Responder
  14. Carlos Pivato

    Sensacional a participação do Digão! Conheço ele há pouco tempo e através de um amigo que já produz cerveja artesanal, tive o interesse no assunto e dia 05/06 fiz minha segunda cerveja. A primeira foi uma APA e ficou quase como o esperado, pois adicionei a solução do primming no mesmo balde de maturação, pois o outro balde tem uma torneira que não é possível conectar o enchedor de garrafas (bottle filler). Com isso, a cerveja ficou turva, mas de sabor e aroma o pessoal aprovou! Essa segunda era para ser uma Black IPA, mas com pouca experiência, adicionei o malte torrado no início da mostura e quando mandei as fotos em um grupo no whatsapp, onde o Digão faz parte, ele me chamou em “pvt” e perguntou qual o estilo e quando disse que era uma Black IPA, ele falou: “só uma dica, nesse caso você tinha que ter adicionado o malte torrado no final. Agora será uma American Stout.” Então só quero prestigiar ele, pois é uma pessoal que tem um grande conhecimento no assunto e não nega compartilhar experiências! Valeu Digão!!!

    Responder
    1. Rodrigo Reis

      Grande Pivato, obrigado pelo elogio, você também montou seus equipamentos e admiro isso, você acaba ficando mais intimo do mesmo, sabendo o que mais pode tirar dele.

      E conhecimento é para compartilhar, não levamos nada dessa vida mesmo kkkkk!

      Abraço!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*