Cerveja Caseira para Principiantes: BIAB – Beercast #217

Por | 12 de julho de 2017
Cerveja Caseira para Principiantes: BIAB – Beercast #217

Cerveja Caseira para Principiantes: BIAB – Beercast #217

Para o episódio de hoje, trouxemos o Leandro Oliveira pra falar do método BIAB (Brew In a Bag).

Confira como foi esse bate-papo.

Comentados durante o episódio:

BeerGifts

Download

Trilha Sonora

  • Bonnie Tyler – Total Eclipse Of The Heart
  • Bonnie Tyler – Lost In France
  • Bonnie Tyler – It’s A Heartache
  • Bonnie Tyler – Heaven
  • Bonnie Tyler – Goodbye To The Island
  • Bonnie Tyler – I Believe In Your Sweet Love
  • Bonnie Tyler – Have You Ever Seen The Rain
  • Bonnie Tyler – Straight From The Heart
  • Bonnie Tyler – If You Were A Woman
  • Bonnie Tyler – Holding Out For A Hero
  • Bonnie Tyler – Don’t Turn Around

Acompanhe e entre em contato com o Beercast:

Clique no play no inicio da página e escute nosso episódio. (45:56 de duração)
Avalie abaixo quantas tampinhas esta cerveja merece.

12 comentários para “Cerveja Caseira para Principiantes: BIAB – Beercast #217

  1. Paulo José Lima Gomes

    Fala galera, mto legal o episodio! Sou um recente ouvinte do beercast e tenho seguido essa serie de Cerveja Caseira Para Iniciantes, principalmente pq to com planos de começar a fazer cerveja em casa, hehe. E nesse quesito o biab me chamou mta atenção. Realmente a questão financeira é um dificultador pra poder começar e eu sou estudante ainda e n trabalho. Queria saber opinião de vcs se utilizar esse metodo seria uma boa pra começar a fazer cerveja. Ate pq o leandro falou que para pequenas quantidades o método é mto legal.

    Responder
    1. Anselmo Mendo

      E aí Paulo? Obrigado por ouvir a gente. Sim, é uma boa porque exige baixo investimento se comparado com outros métodos. Precisa de menos panelas e gasta menos tempo no preparo. Vale a pena tentar. Abração.

      Responder
  2. Fabrizio Guzzon

    Salve Galera,

    Muito bacana o programa, principalmente por trazer uma modalidade na produção da cerveja com um ‘viés’ que favorece a produção simplificada em um ambiente menor.

    E um ponto que o Anselmo questionou durante a gravação, a respeito a alocação dos grãos no bag, se deveria ser compactado ou mais solto….. via de regra, deixar o saco mais solto e confortável é sempre melhor….. rsrsrs

    Abç
    Guzzon

    Responder
  3. fernando

    Biab e o método mais raiz que existe. Não tem frescura de recirculação, rampa, três panela, etc. Joga tudo numa panela só e parte para fervura sem mimimi.

    Responder
  4. Flavio Yokooji

    Bem legal o programa! Sou assinante do canal Cerveja Fácil. Acho as maluquices divertidas.
    Quanto o BIAB, eu comecei com ele, mas como prefiro lavar uma panela do que ficar levantando o bag. Acho um método legal, mas cada cervejeiro usa o que melhor se adapta ao seu jeito.
    Referente à temperatura de brassagem, eu não fico controlando também. Inicio nos 68C e deixo lá por 1hs30min. Eu dou muita atenção mesmo a sanitização, quantidade de levedura, hidratação do fermento e temperatura de fermentação.
    Ah, quero ver a foto do growler que o Leandro levou!

    Responder
    1. Gustavo Passi Autor

      Eai Flavinho,

      Eu achei o método Nutella! rs

      O Anselmo que tem essa tal foto, era muito legal o growler que ele levou!!!

      Vou pedir pro Anselmo postar!

      Abração!

      Responder
  5. Daniel Córdova

    Fala, pessoal!
    BIAB é um sistema legal para fazer cerveja em espaços pequenos e volumes não muito grandes. Eficiência se compensa colocando um pouco mais de malte base, é tranquilo.
    O sistema que eu uso em casa consiste em uma panela elétrica com recirculação constante, o chamado Single Vessel e ela tem um cilindro interno aonde são adicionados os grãos. O problema é que o fundo falso desse cilindro deixava passar muito pedaço de grão. Então recentemente adicionei um voil dentro dele para que os grãos não passem mais e funcionou perfeitamente.
    No fim das contas, estou com um sistema BIAB com recirculação. Minha eficiência de brassagem não diminuiu depois da adição do tecido (está em torno de 75% – o ajuste do pH na brassagem com sais e ácido ajuda muito nisso) e o mosto está bem mais “limpo” do que antes.
    É isso aí, fica o relato caso alguém esteja na mesma situação.
    Abraço!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*