Cerveja Batemans Combined Harvest – Beercast #143

By | 3 de fevereiro de 2016
Cerveja Batemans Combined Harvest – Beercast #143

Cerveja Batemans Combined Harvest – Beercast #143

Para o episódio de hoje, Renato Martins trouxe a cerveja Batemans Combined Harvest para degustar em nossa mesa.

Confira como foi esse bate-papo.

Cerveja Batemans Combined Harvest

Cervejaria: Batemans Brewery
Estilo: Special/Premium Bitter
Álcool (%): 4.7% ABV
Temperatura: 5-7 °C
Copo Ideal: Pint

Confira a nota dos Beerquesteiros para a Cerveja do episódio:

Comentados durante o episódio:

BeerGifts

Download

Trilha Sonora

  • The Animals – The House of The Rising Sun
  • The Animals – Bring it On Home To Me
  • The Animals – Boom Boom
  • The Animals – Memphis
  • The Animals – I´m Crying
  • The Animals – Baby Let Me Take You Home
  • The Animals – The Right Time
  • The Animals – Don´t Let Me Be Misunderstood
  • The Animals – We´ve Gotta Get Out of This Place
  • The Animals – Blues Feeling
  • The Animals – Around And Around
  • The Animals – Gonna Send You Back to Walker
  • The Animals – Hallelujah I Love Her So
  • The Animals – It´s My Life

Acompanhe e entre em contato com o Beercast:

Clique no play no inicio da página e escute nosso episódio. (36:43 de duração)
Avalie abaixo quantas tampinhas esta cerveja merece.

16 thoughts on “Cerveja Batemans Combined Harvest – Beercast #143

  1. Afonso

    renato enchendo a paciência da galera do beercast com, ” segunda divisão, segunda divisão …” kkkkkkkk

    Reply
  2. Fabrizio Guzzon

    Salve galera!

    Ainda não provei essa breja, mas já olhei várias vezes para ela na prateleira… e acho que acabei não pegando justamente pela garrafa transparente… mas já provei a Victorian Ale da Batemans e é muito boa.

    Sobre o polêmico tema da venda de cervejarias… eu acho que as pessoas vendem, mesmo que seja para abrir uma nova cervejaria daqui a cinco anos e ter ainda mais autonomia. É sempre uma questão de qual o objetivo da pessoa… e é isso que defino o como, quando e por quanto alguém venderia sua cervejaria (ou casa, ou loja ou etc)

    Abç
    Guzzon

    Reply
    1. Gustavo Passi Post author

      Guzzon,

      Eu não participei do episódio, mas penso o seguinte: Tem o cara que juntou dinheiro a vida toda para ter uma cervejaria e tem o cara que montou uma cervejaria e lutou a vida toda pra manter o leite das crianças, é a ai que estão os valores. O cara que só se fudeu pra manter a parada e tem a chance de ficar bem para descansar ou abrir algo melhor é o primeiro a aceitar a compra, já o primeiro é o cara que da trabalho pra ser convencido.

      Reply
  3. Alex Checha

    Nem foi intenção julgar se alguém deve ou não vender uma cervejaria. Só estávamos tentando convencer o Rica que nem todos tem seu preço.

    Reply
  4. Flávio Yokooji

    Nunca vi essa cerveja ou nunca reparei. Tenho, infelizmente, experimentado poucas cervejas inglesas.
    Quanto a discussão sobre a compra de micro-cervejarias, eu não julgo quem entende como um negócio e acaba vendendo. Nem quem considera a fabricação de cerveja um trabalho que gostaria de fazer pelo resto da vida, e portanto, não a vende. Eu julgo mesmo quem não tem negócio algum querer criticar quem toma qualquer uma dessas posições/ decisões, pois é fácil falar sobre o trabalho de outros.

    Reply
  5. Luquita

    Fala galera, que música de abertura foda… é a minha música favorita entre tudo que ouço!

    Pelo visto o Gustavo realmente está fora e a nova sede é a Barcearia né? Rs… muito bem, legal ver o Checha também mais participativo.

    Tomei uma vez essa cerveja, é bem legal mas nada de muito impressionante, a multigrãos do Cadu Zamoner é bem melhor rs.

    Sobre a garrafa transparente, que é a única da cervejaria, acredito que seja pelo fato de não se tratar de uma cerveja com o perfil lúpulado, já que é o lúpulo que sofre com o lightstruck, e por isso não tendo grande incidência nesse problema.

    Também curti a discussão que tiveram sobre vender ou não vender mas cabe mais pontos para serem analisados, como por exemplo a oportunidade de você crescer e ter seu produto expandido para muito mais locais, assim saindo da estagnação. Tem que se analisar que há um certo limite que é possível de se chegar quando empresa “pequena”, tanto por capacidade de produção, como tecnológico, logístico e etc.

    Enfim, um abraço e até!

    Reply
  6. Daniel Córdova

    Fala galera!

    Hoje pelo visto rolou aquela discussão que anda recorrente nos círculos cervejeiros: vender ou não vender, eis a questão.
    Na minha opinião, isso é um tema muito pessoal e cada pessoa vai pensar de uma forma diferente sobre a sua empresa. Talvez o cara diga que não vende por dinheiro nenhum no mundo, mas de repente oferecem pra ele dinheiro suficiente para viver de boa o resto da vida, garantindo o leite das crianças, e o cara seja seduzido. Ou talvez ele já tenha dinheiro ou outros negócios que o sustentem e a cervejaria seja a paixão dele e aí realmente talvez não haja dinheiro no mundo que pague, porque ele não depende só disso.
    Só sei que, caso o cara venda, ele não pode simplesmente pegar a grana e abrir uma fábrica do lado. O pessoal que vendeu a Eisenbahn pra Schin teve que se comprometer a ficar X anos sem trabalhar com cerveja (ou sem fabricar, não sei bem ao certo, porque eles tem um pub ainda). Recentemente eles compraram a Laticínios Pomerode (aquela das bisnagas de queijo fundido – kreuterkaese) e estão investindo no mercado de queijos.

    Voltando pra cerveja, o Christian Bale, que foi o último Batman, fez o papel do Patrick Bateman no filme American Psycho. Aliás, nesse filme ele mata o personagem do Jared Leto, que hoje é o Coringa.

    Abraço!

    Reply
    1. Gustavo Passi Post author

      Dani,

      Existe a clausula default de Non-Compete. O Abilio por exemplo, só comprou ações do grupo casino após alguns anos da venda do grupo pão de açúcar. Aposto que os meninos da Eisenbahn logo juntam os queijos a cerveja novamente.

      Abraço.

      Reply
      1. Fabrizio Guzzon

        Gustavo,
        Na verdade, no caso da Eisenbahn, eles continuaram atuando junto a fábrica como assessores, criando material e videos no site… e ganhando para isso.

        Não quiserem perder eles para o mercado, compraram a fabrica, a marca e o trabalho deles.

        Abç
        Guzzon

        Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*