Atelier do Malte – Beercast #224

Por | 30 de agosto de 2017
Atelier do Malte – Beercast #224

Atelier do Malte – Beercast #224

Para o episódio de hoje, trouxemos Juliana e Bernard Doizé para contar um pouco do Atelier do Malte.

Confira como foi esse bate-papo.

Links Comentados durante o episódio:

BeerGifts

Download

Trilha Sonora

  • Midnight Oil – Only The Strong
  • Midnight Oil – Progress
  • Midnight Oil – Don’t Wanna Be The One
  • Midnight Oil – Dreamworld
  • Midnight Oil – Hercules
  • Midnight Oil – Read About It
  • Midnight Oil – Section 5 (Bus To Bondi)
  • Midnight Oil – Cold Cold Change
  • Midnight Oil – Redneck Wonderland
  • Midnight Oil – Tell Me The Truth
  • Midnight Oil – Stand In Line
  • Midnight Oil – Pictures
  • Midnight Oil – Written In The Heart
  • Midnight Oil – Mosquito March
  • Midnight Oil – No Time For Games
  • Midnight Oil – Best Of Both Worlds
  • Midnight Oil – Say Your Prayers

Acompanhe e entre em contato com o Beercast:

Clique no play no inicio da página e escute nosso episódio. (59:50 de duração)
Avalie abaixo quantas tampinhas esta cerveja merece.

19 comentários para “Atelier do Malte – Beercast #224

  1. Carlos Pivato

    Valeu pessoal, por incentivar o mercado nacional no segmento da cerveja! Já pensaram em convidar a Gabriela Montadon? Para falar sobre a levedura nacional! Sucesso ao Atelier do Malte! Falando do Marcão da Cervejaria Satélite, uma das melhores American Amber Ale que já tomei!!! Saúde!!!

    Responder
  2. José Pereira

    Pessoal, comecei a acompanhar o podcast aqui da Alemanha, vim para morar um tempo e fazer o sacrifício de beber umas cervejas nacionais!! Antes de vir já realizei algumas brassagens (Inclusive um dos cursos que realizei foi com nosso querido Jaime lá no Pier. Se um dia virem perdido lá um copo da cerveja Malteser, foi presente meu), e posso dizer que realmente é muito legal mesmo saber que temos novos produtores nacionais de malte. Já fica aqui meu total apoio ao sucesso e admiração pela trajetória deste casal tão simpático.
    Como falado em outro programa, muitas vezes passamos muito tempo assistindo as coisas acontecendo aqui fora e demoramos para tomarmos iniciativa, eles são um excelente exemplo positivo de como devemos fazer.
    Quanto ao programa, como sempre excelente. Escutei apreciando uma Oettinger Weissbier, que aqui é comprada pela bagatela de 0,43 Euros!!!

    Ein Prosit ao Beercast e seus convidados!!

    Responder
  3. Andre F

    Opa pessoal!

    Mais um ótimo programa.

    Muito interessante saber mais sobre maltes e os processos, ainda mais ouvindo a história dos criadores do Atelier do Malte, que falam de forma tão apaixonada.

    Melhor ainda com a liberação do editor, que deixou o programa se estender.

    Apesar da vontade nesse momento não consigo começar a tentar fazer cervejas, mas a cada programa com pessoal envolvido com produção e insumos essa vontade só aumenta.

    E pro pessoal que pretende criar processos e produtos inovadores, como Juliana e Bernard criaram, mas que falta recurso para P&D, existem linhas de financiamento públicas somente para isso e cujo recursos é concedido a fundo perdido.

    Abs

    Responder
    1. Andre F

      Uma coisa que faltou falar:

      Achei muito interessante a ideia do Terroir Paulista. Isso é tão difundido e explorado para vinhos e nunca tinha ouvido falar de algo assim para cervejas.

      Responder
    2. Ricardo Shimoishi

      Valeu pelo comentário André.

      Realmente o programa ficou um pouco longo. mas mereceu. A gente precisa ouvir mais os pioneiros que buscam preencher as lacunas faltantes no mercado cervejeiro.
      Que legal que vc pensa em fazer cerveja. O bom é que a cada vez tem mais gente e mais facilitadores para que seu projeto saia do papel.
      Bom saber que há financiamento para iniciativas como estas.

      Abração!!

      Responder
  4. Daniel Córdova

    Fala, pessoal

    Muito legal o programa. Bom ver pessoas capacitadas aqui no Brasil investindo nessa área de maltes especiais.

    Aqui em SC temos a Maltes Catarinense e a Maltearia Blumenau também atuando nessa área. Aos poucos começam a aparecer nas brewshops. Cada vez mais tenho tentado adaptar minhas receitas pra usar esses maltes locais e apoiar o pessoal.

    Sucesso pro Atelier do Malte.

    Abraço

    Responder
    1. Ricardo Shimoishi

      Muito legal Daniel.
      Precisamos mesmo apoiar as Empresas brasileiras com iniciativa. Ainda mais as pequenas que, na verdade, são as que carregam o Brasil nas costas.
      Agora fiquei curioso sobre “adaptar receitas”.
      Maltes de maltarias diversas tem características diversas tb?

      Responder
      1. Rodrigo Reis

        Ola Rica, algumas maltarias tem nomes de maltes patenteados então os “outros” tem que adaptar o nome, ou as maltarias criam algum malte que fica próximo a outro, mas não é exatamente as mesmas características.

        Responder
        1. Ricardo Shimoishi

          Ah. Entendi.
          Porque pode haver variação (mesmo que pequena) no grau de torra, tempo de secagem, etc. Aí fica parecido. Mas nunca igual.
          Mas imagino que adaptar a receita deve ser ainda mais complicado, né? Saber onde mexer na receita para que, usando um malte diferente, consiga-se reproduzir exatamente a mesma cerveja.
          Coisa pra especialista!

          Abração!

          Responder
          1. Rodrigo Reis

            Em geral não é tão difícil porque as maltarias adotam nomes parecidos/próximos, e também já lançam uma lista de compatibilidade 😀

  5. Fabrizio Guzzon

    Salve galera
    Muito bom o programa, falar sobre os insumos com um pessoal engajado como a Juliana e o Bernard é muito legal, ainda mais quando vemos a paixão que é envolvida numa iniciativa como esta.

    E quem sabe isso não pode se tornar uma ‘mini’ série…. com produtores nacionais de insumos… malte, levedura, lúpulo…. e para finalizar uma gravação ao vivo na praça de Agudos para falar da agua!

    Abç
    Guzzon

    Responder
    1. Ricardo Shimoishi

      Aê, Guzzon.

      Falar com todo esse povo é algo que desejamos mesmo. Mas nem sempre é fácil. Continuaremos tentando. Mas o gran finale de gravar em Agudos não pode faltar!
      hauahauahau…

      Responder
  6. Ivan

    Conheço o Atelier do Malte. O carinho da Juliana e do Bernard na produção é maravilhoso. Ótimo produto.

    Responder
  7. Flávio Yokooji

    Muito interessante o programa. Eu não tinha conhecimento da existência do Ateliê do Malte. Quero fazer uma cerveja só com o malte deles para experimentar e fomentar inciativas como essa.

    Responder
    1. Ricardo Shimoishi

      O carinho que eles demonstram pelo material que produzem realmente nos dá vontade de ver como é o trabalho final deles.
      Eu não sei fazer cerveja, mas posso garantir que o Terroir Paulista Vienna é muito bom de comer… rsrsrs…

      Abração!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*