A Melhor Pilsen do Mundo – Beercast #244

Por | 24 de Janeiro de 2018
A Melhor Pilsen do Mundo – Beercast #244

A Melhor Pilsen do Mundo – Beercast #244

Para o episódio de hoje, Anselmo Mendo trouxe detalhes de sua viagem para República Tcheca: A terra da melhor pilsen do mundo.

Confira como foi esse bate-papo.

Links Comentados durante o episódio:

BeerGifts

Download

Trilha Sonora

  • Anitta – Vai Malandra
  • Anitta – Show das Poderosas
  • Anitta – Meiga e Abusada
  • Anitta – Tá na Mira
  • Anitta – Zen
  • Anitta – Achei
  • Anitta – Menina Má
  • Anitta – Principe de Vento
  • Anitta – Não Para
  • Anitta – Eu Sou Assim
  • Anitta – Fica Só Olhando
  • Anitta – Proposta
  • Anitta – Cachorro Eu Tenho em Casa
  • Anitta – Som do Coração
  • Anitta – Eu Vou Ficar

Acompanhe e entre em contato com o Beercast:

Clique no play no inicio da página e escute nosso episódio. (47:59 de duração)

Avalie abaixo quantas tampinhas esta cerveja merece.

8 comentários para “A Melhor Pilsen do Mundo – Beercast #244

  1. Luciana Ribeiro

    Adorei o programa! Só aguçou ainda mais a minha vontade de ir para Pilsen! Nos anos 80 eu costumava ir no saudoso Lo Spuntino, o primeiro bar com cervejas importadas – numa época em que as importações ainda não eram corriqueiras – de São Paulo, ali em Indianópolis. Foi lá que eu descobri que cerveja era muito mais que Brahma e Antarctica e a minha verdadeira “epifania cervejeira” aconteceu exatamente ao tomar uma Pilsner Urquell! Que cerveja fantástica! Das nossas artesanais a que eu acho que faz mais jus ao estilo é a Camila Camila, da Bamberg. Acho uma cerveja excelente.

    Responder
    1. Anselmo Mendo

      Oi Luciana! Vale muito a pena conhecer Praga e ir até Pilsen. É aquele tipo de “lugar lendário” que todo mundo que gosta de cerveja precisa ver com os próprios olhos :D. Não conhecia o Lo Spuntino, mas fui pesquisar e vi que tinha uma carta de cerveja grande pra época. Minhas primeiras cervejas inesquecíveis foram lá no PIER e no Frangó. É que nem primeiro beijo, todo mundo lembra onde conheceu as melhores cervejas. A Camila Camila já foi tema do BC, lá no longínquo episódio #13. Faz tempo que não a provo, mas gosto dela. Das brasileiras, gosto muito da Bilbat, da Cervejaria Suméria (Pilsner – German). Obrigado por ter ouvido o episódio e comentado aqui. Bjs e Saúde!

      Responder
  2. Haifang Nehls

    Olá.
    Gostei bastante do episódio, estão de parabéns.
    Ano passado viajei com minha esposa para a belgica, e o que fizemos foi exatamente o comentado no programa. Levamos diversas roupas mais velhinhas e depois de usar deixavamos elas no hotel com um bilhete para encaminhar à doação. O espaço nas malas foi sendo substituído por garrafas e mais garrafas de cerveja. O que eu acho muito mais vantajoso.

    Tambem tivemos a oportunidade de andar de bicicleta por lá, visitamos a abadia de westvleteren (exatamente um ano hj, olha q coincidencia) mas nao por escolha nossa. Ao chegar em Poperinge, descobrimos q a cidade só tinha dois taxis e nenhum podia nos atender aquele dia. A unica opcao era ir a pe, ou alugar umas bicicletas. 7km pra ir e mais 7 pra voltar, acabamos escolhendo as bikes. E confesso q foi um dos pontos mais legais da viagem, andar por aquelas estradinhas cobertas de gelo, com as plantacoes de lupulo ao redor foi realmente mágico.

    Abraços galera.

    Responder
    1. Anselmo Mendo

      Acompanhei sua viagem pelo FB, Haifang. A Bélgica é realmente incrível, daria pra fazer muitos passeios cervejeiros por lá. Essa coisa das malas é bem importante, não ficar carregando coisas desnecessárias é a melhor coisa. E cervejas que não chegam por aqui, ou custam muito caro, é algo que vale a pena investir.
      Obrigado por escrever aqui. Abração!

      Responder
  3. Daniel Córdova

    Fala pessoal
    Ótimo programa. Dicas de viagem são sempre muito bem-vindas.
    Endosso o coro de que em Praga se caminha muito. Mas muito mesmo! Estive lá em 2013 por uns 2 ou 3 dias e acho que as dores no tendão de aquiles que tenho até hoje surgiram lá. Me lesionei de verdade de tanto caminhar.
    Tudo bem que meus tênis não eram o ideal pra grandes caminhadas e que passei uns 12 dias caminhando sem parar (Amsterdam, Berlim e Praga).
    Infelizmente não consegui ir pra Pilsen, porque eu era o único interessado em ir lá e não tava afim de ir sozinho, mas Praga é muito bonita e vale demais a visita. Só é meio saco ficar convertendo de Euros pra Coroas e a gente acaba perdendo o valor em Real do negócio depois de tanta conversão.
    E tem que lembrar que lá não é todo mundo que fala inglês não. Nos bares, OK, mas pedir informação na rua é loteria.
    Abraço!

    Responder
    1. Anselmo Mendo

      É isso aí, mas machucar o tendão de Aquiles pode ser por causa de excesso Dequilos, força muito (tcharam, ba, tss, tum!) :D. Praga é aquela falsa cidade onde tudo parece perto, mas na verdade é longe. Haja sapato. Mas vale o investimento, não é? O que mais me irritou por lá foi o excesso de turistas em alguns lugares (e como eles são chatos). Visitar a Prazdroj Plzen vale a viagem porque é daqueles lugares que fazem parte do imaginário coletivo dos cervejeiros. E também o único lugar que dá pra tomar a Urquell mais fresca do mundo.
      Qual a próxima viajem Daniel? EUA? Já tem data?
      Abs!

      Responder
  4. Fabrizio Guzzon

    Salve Galera!
    O Daniel é muito gente boa, já encontrei com ele algumas vezes, no CASP e em eventos cervejeiros.

    A Urquell é uma pilsner que realmente mostro tudo que o estilo pode oferecer, e justamente por ser um estilo delicado é muito dificil ver as cervejarias que temos em nosso cenário nacional de artesanais investirem neste estilo, até por que alem de ser considerado por muitos um estilo “simples” ele tambem é deixa qualquer off flavor muito aparente.

    Um ponto que notei também é que toda vez que o Anselmo falava um nome tcheco parecia que ele tinha comido caqui verde e ficou com a boca amarrada… rsrsrs

    Abç
    Guzzon

    Responder
    1. Anselmo Mendo

      Isso mesmo Guzzon. Acho que falta coragem pras artesanais fazerem pilsen. Não daria pra disfarçar os erros, né?
      E é verdade, caqui amarrando é o que todo mundo precisa pra falar tcheco
      Abração!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*