Turista sofre! Tour cervejeiro Bélgica/Holanda – Parte 1

By | 29 de Abril de 2015

Fala pessoal, vamos viajar?

Estou de volta aqui no blog a pedido da galera do Beercast pra contar sobre o tour cervejeiro que fiz com minha namorada pela Bélgica e Holanda agora em março/abril. O plano era passar por todos os mosteiros “trapezistas” da Bélgica e da Holanda, missão que foi cumprida com êxito.

Farei uma série de posts contando as experiências, os bares, cervejarias e mosteiros visitados e dando dicas pra quem estiver afim de encarar a estrada.

Como dizem lá em casa: Turista sofre, mas se diverte!

DSC_0386[1]

Fique de olho nos ciclistas!

Começamos a viagem com a maratona Floripa-Guarulhos-Paris-Amsterdam. Saímos daqui na 5ª de manhã (19/03/2015) e chegamos lá 6ª meio-dia, hora local. Eu já havia visitado Amsterdam em 2013 e tenho um amigo que mora na cidade, o Breno. Ficamos hospedados lá, mas primeiro tínhamos que chegar até o apê dele.

Pegamos as malas e fomos atrás do trem para a cidade. Descemos na estação Lelylaan e tínhamos que pegar um tram (aqueles bondinhos elétricos) até a casa do meu amigo. O problema é que quando compramos os euros aqui em floripa o “banco fundado por D. João VI” só nos deu notas de 100 e o cobrador do tram só aceitava no máximo notas de 20 (#fikdik #turistasofre). Tivemos que descer no próximo ponto, arrastar as malas pesadas por 3 quadras, no frio, até achar um caixa eletrônico para sacar 20 euros – e voltar pra pegar o tram novamente.

Mas beleza, chega de papo e vamos pra cerveja. O Anselmo já fez um post excelente (aqui) com dicas sobre onde beber bem em Amsterdam, então não vou repetir o que ele já contou, mas passei lá no De Prael e no fim da viagem fomos no Brouwerij ‘tIJ.

Dica 1: quando você estiver à pé, fique de olho nas ciclovias pra não ser atropelado.

Dica 2: quando em Amsterdam, pedale!

De Bierkoning – O Rei da Cerveja.

Alugamos bicicletas e fomos pedalar. No meio do passeio paramos na De Bierkoning, que é a loja de cerveja mais legal que já fui e tem preços de fazer brasileiro chorar em holandês. Descobri ela em 2013 e tive que voltar. Fica na Paleisstraat 125, uma rua pequena perto da Dam, sentido Spuistraat. Dá pra ficar maluco de tanta opção boa. Só da De Molen eu perdi a conta de quantas cervejas tinha.

Compramos algumas e partimos novamente. Tomamos um café com a melhor torta de maçã do mundo e voltamos pra casa recarregar as energias.

Nesta primeira noite a Tai estava cansada e ficou em casa, então o Breno e eu fomos fazer um mini pub-crawl. Começamos com Café Brecht (Weteringschans 157), que é um bar pequeno com mesas bem baixinhas e lotado de gente e cerveja boa, mas vi muitas pessoas tomando vinho também. Bebi uma Riedenburger Dolden Sud IPA (senti aroma de mel e chucrute, bem inusitada e gostosa) e ele uma De Molen Vuur & Vlam IPA (melhor ainda que a minha).

DSC_0402DSC_0403

Saímos dali pro De Prael (Oudezijds Voorburgwal 30 – perto do Red Light District) e encontramos um amigo do Breno, também brasileiro. Dentre as tomadas por mim e do copo dos outros, foram 5 cervejas. Destaque para a Liquid Bacon, que leva malte defumado, mas se levasse bacon de verdade eu não notaria a diferença – gostei.

Fechamos a noite no Mulligans (Amstel 100), um pub irlandês bem roots mesmo. Tinha uma dupla tocando umas músicas diferentes e diversos turistas britânicos. Tinha Guinness, mas tomei uma Kilkenny, pois nunca tinha visto ela antes… minha nota é 2,5 tampinhas.

DSC_0444

Queijos trapistas e uma geleia de maçã.

No dia seguinte mais passeios, compras (tivemos que comprar casacos, pois estava frio no início da primavera deles), batata frita com maionese (Pulp Fiction? alguém?), algumas cervejas em casa e de noite curtimos um jazz no Gollem’s (Overtoom 160). O Breno é baixista profissional e deu uma canja com o pessoal lá, que eram amigos dele.

O bar estava cheio e pela primeira vez experimentamos queijos trapistas. Nas cervejas, tinha muita variedade na pressão e consegui experimentar umas 5. Destaque para a Gollem’s Precious IPA, que é deles, mas feita na Bélgica.

Curioso também foi ver um gato andando pelo meio do bar nos bancos, deitado no casaco de algum cliente, bem de boa.

Resumidamente esses foram os primeiros dias da viagem, em Amsterdam. No dia seguinte pegamos um carro e partimos para a Bélgica, mas isso já é história para o próximo post.

Espero que tenham gostado e, assim como fiz no post do festival da cerveja, vou deixar aqui uma lista de todas as geladas que bebi nesses dias.

Valeu e até a próxima!

PS1: Lembrando que tem IPA pra caramba porque a Taíse praticamente só bebe elas (não estou reclamando, porque acabo experimentando junto).

PS2: As cervejas que eu não tinha anotado o estilo, procurei no Ratebeer e estão entre parênteses.

PS3: Esqueci de falar, mas a cervejaria Oedipus é lá da região e está despontando, todo mundo só fala deles. Quem puder, experimente!

PS4: Melhor que XONE! huehuehue kibei de alguém

DSC_0449[1]

Oedipus Panty azulada?

Cervejas relacionadas:

Casa do Breno:

  • Heineken Oud Bruin
  • Vedett Extra Blonde
  • De Prael Bitterblond

Café Brecht:

  • Riedenburger Dolden Sud IPA
  • De Molem Vuur & Vlam IPA

De Prael:

  • Liquid Bacon (smoked)
  • Nick&Simon (IPA)
  • Doe Maar (scotch ale)

    Batatas fritas com maionese. É muito bom!

    Batatas fritas com maionese. É muito bom!

  • Double IPA
  • Klassieker (bitter)

Mulligans:

  • Kilkenny (irish ale)
  • Guinness (dry stout)
  • Jupiler (pale lager)

Gollem’s:

  • Gollem’s Precious IPA
  • Tasty Lady IPA
  • Gouden Carolus Tripel
  • Belle-Fleur IPA
  • Oedipus Panty (stout)

18 thoughts on “Turista sofre! Tour cervejeiro Bélgica/Holanda – Parte 1

  1. Nadson Costa

    Fala Daniel,

    Vou passar 20 dias na Europa (Munique, Bamberg, Frankfurt, Amsterdam, Bruxelas) Esses post vão me ajudar a deixar ainda mais cervejeira minha viagem. Valeu!!

    Reply
  2. jéssica

    Muito bacana Daniel,

    vou dar mais uma olhada em tudo que postou. Estou planejando uma viagem para final de Setembro e Holanda/Bélgica estão na minha lista.
    e o valor das cervejas, qual a média?

    Obrigada =]

    Reply
    1. Daniel Córdova Post author

      Oi, Jessica!
      Que legal, espero que os posts ajudem a sua preparação.
      As cervejas variam muito de preço e local. Você pode comprar uma cerveja popular como a Jupiler por menos de 1 euro no mercado, ou uma Westvleteren por 3,50 no bar deles. Ou um copo num bar por 5 a 10 euros. Pra falar a verdade já não lembro direito do quanto gastei com as cervejas =P
      Valeu e boa viagem!

      Reply
  3. Pingback: Turista sofre! Tour cervejeiro Bélgica/Holanda – Parte 10: Rotterdam, Amsterdam - Fim - Beercast Brasil

  4. Pingback: Turista sofre! Tour cervejeiro Bélgica/Holanda – Parte 7: Gent - Beercast Brasil

  5. Pingback: Turista sofre! Tour cervejeiro Bélgica/Holanda – Parte 6: Bruges - Beercast Brasil

  6. Pingback: Turista sofre! Tour cervejeiro Bélgica/Holanda – Parte 5: Westvleteren - Beercast Brasil

  7. Pingback: Turista sofre! Tour cervejeiro Bélgica/Holanda – Parte 4: Chimay - Beercast Brasil

  8. Eduardo Aroeira

    Fala Daniel! Gostei muito de sua iniciativa!

    To planejando uma viagem pra Europa em outubro, e já vi que suas experiências vão ajudar! Como disse o Guzzon, as dicas dos perrengues ajudam muito!
    Abraços!

    Reply
    1. Daniel Córdova Post author

      Valeu Eduardo!
      Espero que os relatos ajudem na sua viagem. Pra onde vc está pensando em ir?
      O lado bom dos perrengues é que depois tudo vira história pra dar risada.
      Abraço!

      Reply
  9. Pingback: Turista sofre! Tour cervejeiro Bélgica/Holanda – Parte 3: Rochefort e Orval - Beercast Brasil

  10. Pingback: Turista sofre! Tour cervejeiro Bélgica/Holanda – Parte 2: La Trappe e Achel - BeerCast Brasil

    1. Daniel Córdova Post author

      Chama o Mister M! hehe
      Não teve tratamento da foto e ela não era azulada no copo. E agora, como fica?

      Reply
        1. Daniel Córdova Post author

          hahahahha bem isso

          se eu fosse chutar pq a foto saiu assim, acho que a correção de temperatura da luz ambiente da câmera e o fato de que tinha uma vela vermelha atrás do copo fez a câmera se confundir.

          Reply
  11. Fabrizio Guzzon

    Grande Daniel,

    Muito bacana esse relato de viagem, acho muito legal ver as dicas, cervejas e perrengues que se passa numa viagem como essa.

    Abç
    Guzzon

    Reply
    1. Daniel Córdova Post author

      Valeu, Guzzon!
      Que bom que gostou, cara.
      Vou tentar passar algumas dicas, mas quem puder contribuir com mais toques eu agradeço, até pra dar motivos pra voltar pra lá.
      Abraço

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*