Boa Cerveja-Feira #351… Mad Honey

Esta semana iremos invadir a colmeia mágica da Hocus Pocus e buscar uma doppelbock inventiva com a Mad Honey.

Como dito acima, esta doppelbock é produzida pela Hocus Pocus. O conceito do uso do mel de flores de laranjeira é uma opção muito interessante, dado que o estilo naturalmente traz notas de tosta e leve amargor o dulçor do mel deve agregar um dulçor e notas agradáveis ao estilo.

Já falamos anteriormente da Hocus Pocus com a Moonrock, Bad Trip dentre outras.

A dica desta semana foge dos quadrinhos, mas se mantem no âmbito literário, indicarei o livro 1808 de Laurentino Gomes. O livro trata do período imperial do Brasil, chegada da família real e todo o contexto histórico, econômico e político, tanto do Brasil quando de outros países que se relacionavam com o Brasil.

Vale muito a pena a leitura para entendermos como muito do que vivemos hoje é uma herança direta de decisões políticas tomadas séculos atrás.


Mad Honey

Mad HoneyDados Técnicos:

Cerveja: Mad Honey
Estilo: Doppelbock
Teor: 9,0 %
País de origem: Brasil
Embalagem: 500 ml
Nota: 3,5

 


A Mad Honey se apresenta em tom castanho com reflexos rubros, cristalina e brilhante. A espuma tem boa formação, com duração baixa, deixando uma fina camada sobre a cerveja após alguns minutos.

No aroma encontramos notas de caramelo, leve frutado, notas condimentadas e uma percepção floral silvestre. Em segundo plano encontramos notas de biscoito integral, tosta muito suave, toffe e leve percepção licorosa.

A Mad Honey apresenta corpo médio e carbonatação médio alta. Enquanto que no paladar temos notas de caramelo, malte, pão tostado e uma percepção frutada silvestre bastante fresca. Já em segundo plano temos o complemento com notas de mel, especiarias e toffe.

O aftertaste realça ainda mais a percepção de mel e uma leve nota condimentada mais evidente, terminando seca e com um agradável aquecimento na garganta.

A Mad Honey é uma weizenbock que opta por um caminho inusitado, mesmo com seus 9% de álcool ela se mantem com uma boa drinkability e sensação de refrescancia, as notas de mel compõe a cerveja sem aproxima-la de uma Honey Beer e sim como uma adjunto que agrega no estilo.


Para a harmonização podemos imaginar que realçar ainda mais a presença do mel é uma opção interessante, dado que a cerveja equilibra muito bem o seu uso.

Minha sugestão é baseada em um restaurante que eu gosto muito, o Kawai Chef, e eles tem um brie folhado com mel trufado que pode ser perfeito para esta harmonização. A presença do mel irá destacar ainda mais o mel da cerveja, enquanto que o teor alcoólico garante que a untuosidade do brie não mascare as demais notas da cerveja.

Prost!

Fabrizio Guzzon