Boa Cerveja-Feira #313… Lagunitas IPA

Esta semana iremos permear a delicada película que separa o real do mitológico e conhecer deuses antigos, novos e reinventados, acompanhados pela Lagunitas IPA.

A Lagunitas IPA é uma cerveja bastante conhecida, produzida pela Lagunitas. Muitos devem ainda se lembrar do Pop Up Taproom que a Lagunitas abriu em Pinheiros no ano passado. Por sinal uma ideia muito interessante que deveria ser replicada.

A indicação de hoje é uma série da Amazon Prime, baseada em um livro do Neil Gaiman, chamada “Deuses Americanos”. Na série somos apresentados é uma série de Deuses, alguns facilmente reconhecidos das mitologias que conhecemos, outros novos advindos dos novos tempos, com a “internet”.

Um ponto interessante é o intervalo entre o livro de 2001, e a série de 2017. Este intervalo permitiu que a série atualizasse uma vasta gama de detalhes que se adaptados seriam completamente ultrapassados. Um exemplo é a divindade internet, o entendimento de internet em 2001 e 2017 são completamente distintos e a série reflete isso.


Lagunitas IPA

Lagunitas IPADados Técnicos:

Cerveja: Lagunitas IPA
Estilo: IPA
Teor: 6,2 %
País de origem: EUA
Embalagem: 355 ml
Nota: 3,75


No copo a Lagunitas IPA se apresenta em um dourado belíssimo e totalmente cristalino. A espuma tem boa formação e ótimo persistência.

O aroma é uma síntese do que se esperar de uma IPA da escola americana, notas cítricas em destaque com maracujá e grapefruit, com percepção bastante fresca, o que surpreende sabendo-se da viagem que esta cerveja fez, dado que a mesma é produzida em Blumenal. Em segundo plano encontramos o malte sendo apresentado pelas notas de caramelo discretas.

Ao provarmos temos uma cerveja de corpo médio alto e carbonatação média baixa. Enquanto que no paladar o cartão de visitas é o amargor cítrico que remete diretamente a grapefruit, seguindo pelas notas de maracujá, casca de laranja e um dulçor suave de caramelo que contrasta com o amargor. Em segundo plano temos uma suave presença herbal e resinosa que reforça as características do lúpulo.

O aftertaste mantém as notas cítricas e o amargor residual é persistente e limpo. A percepção de grapefruit carregado de amargor cítrico se mantem no palato por bastante tempo, sem exagero mas com persistência, praticamente te lembrando que ainda pode dar mais um gole.

Se alguém pedir uma indicação de uma American IPA clássica, daquelas que representaram o estilo a quase uma década atrás, este é o rótulo. Retornar a esta leitura, sem inovações, mas com uma execução primorosa é uma experiência de redescobrimento do estilo e de o quanto houve de evolução desde então.


Assim como este rótulo, optarei por uma harmonização clássica daquelas que vemos como um dos chavões para o estilo, mas que neste caso torna o pacote de fato completo.

Minha sugestão de harmonização é um hambúrguer clássico. Carne ao ponto no centro, mas quase tostada por fora, pão fresco e queijo cheddar em fatias. Vamos deixar estas notas cítricas tão presentes na cerveja complementarem o sabor da carne.

Prost!

Fabrizio Guzzon