Boa Cerveja-Feira…. com Preussen Weisse

Por | 19 de fevereiro de 2016

Esta semana vamos folhear os antigos manuscritos para resgatar uma receita quase esquecida com a Preussen Weisse.

Brasão da The Monarchy

Brasão da The Monarchy

A Preussen Weissen é produzida pela cervejaria alemã The Monarchy, e esta cervejaria não é uma desconhecida aqui, os fundadores da cervejaria são Sebastian Sauer e Fritz Wülfing, os mesmos da cervejaria Freigeist Bierkultur que já foi visto por aqui quando falamos de outras cervejas.

A The Monarchy foi fundada em 2012 com objetivo não somente de produzir cerveja, mas de estudar e recriar os estilos esquecidos no passado da Alemanha.

A Preussen Weissen em questão é uma Spiced Weissbier que teve sua receita criada a partir de anotações datadas de 1831, e segundo o próprio Sebastian o maior desafio foi a conversão das medidas para conseguir manter o equilíbrio da cerveja.

Preussen Weisse

2016.02.19 Preussen WeisseDados Técnicos:

Cerveja: Preussen Weisse
Estilo: Herbed/Spiced Beer
Teor: 5,5%
País de origem: Alemanha
Embalagem: 500 ml
Nota: 3,25

Ao servirmos a Preussen Weisse vemos que o liquido se apresenta dourado ao inicio, mas após receber o fermento residual do fundo da garrafa muda para um dourado escuro, opaco e com o sedimento descendo levemente pelo copo. A espuma se forma branca, densa e um pouco baixa.

No aroma as notas condimentadas se destacam com percepção de cravo e gengibre, mas logo percebemos o aroma frutado de banana se desprendendo da cerveja. Em segundo plano encontramos notas perfumadas, muito provavelmente oriundas da adição de zimbro feita na Preussen Weisse.

Ao provarmos encontramos uma cerveja de corpo médio e boa carbonatação, enquanto que no paladar as notas de banana e malte são mais evidentes, mas acompanhadas pelas notas de especiarias, principalmente cravo, e um leve fermento criando um equilíbrio.

No aftertaste temos a desconstrução do equilíbrio presente no paladar, as notas de especiarias ganham destaque trazendo a percepção de cravo e gengibre e sendo acompanhadas por um leve floral e um final levemente picante e maltado com crisp bastante agradável.

Esta cerveja apresenta notas de condimento inesperadas para uma Weiss, mas que se encaixam muito bem ao estilo que fecha com um crisp picante e perfumado.

Para a harmonização vamos o toque condimentado e a origem da cerveja.

Eu proponho um páprica schnitzel. As notas condimentadas irão complementar a percepção da páprica e não deixar a cerveja ser ofuscada pelo prato além de ajudar a destacar o sabor do lombo suíno.

Prost!

Fabrizio Guzzon

6 comentários para “Boa Cerveja-Feira…. com Preussen Weisse

  1. Luquita

    Fala Guzzon, breja realmente interessante e eu ia perguntar a mesma coisa que o Daniel. Esse resgate é bem legal mas nunca saberemos se era isso mesmo o objetivo.

    Sobre sua avaliação, o picante e o crisp não podem ser interpretados como sendo praticamente a mesma coisa?

    Abraços

    Responder
    1. Fabrizio Guzzon Autor

      Grande Luquita,

      Pelo DNA da empresa, imagino que o objetivo é realmente resgatar os estilos antigos e que praticamente não são feitos mais. Tem uma outra cerveja deles que segue este mesmo conceito.

      Eu chamo de crisp aquele final um pouco mais seco e carbonatado, podendo ter ou não a sensação de picancia ou pimenta. Mas nada impede que sejam sinonimos e eu tenha resolvido ver eles de maneira separada….. rsrs

      Vou dar uma olhada nos sites gringos no conceito para me atualizar

      Abç
      Guzzon

      Responder
      1. Luquita

        Você usa picância no sentido de pimenta mesmo, neste caso sim.

        Na tradução do BJCP 2008 tem um guia que diz; Crisp: Representa a qualidade de cessar subitamente determinada sensação, dando a impressão de quebra. Geralmente relacionada ao paladar e ao retrogosto, logo ao engolir. Opõe-se ao “persistente”. Denota uma cerveja de caráter “limpo”. Descrito como “com final bem definido”.

        São 3 termos em inglês que eu sempre bato cabeça: crisp, tart e harsh. Pois são usados de formas variadas.

        Responder
  2. Daniel Córdova

    Fala Guzzon!

    Fiquei bastante curioso com essa cerveja. Sabes dizer se foram adicionadas especiarias nela? Quais eram?

    Esses caras são corajosos de resgatar essas receitas antigas e que provavelmente rasgam a Reinheitsgebot. Dou o maior apoio!

    Schnitzel acho que só comi uma vez e gostei. Próxima vez que eu for num restaurante típico vou pedir um pra matar a saudade.

    Abraço!

    Responder
    1. Fabrizio Guzzon Autor

      Grande Daniel,
      Até onde eu pesquisei sobre a cerveja, ela tem adição de gengibre e zimbro. O gengibre eh mais evidente, o zimbro trás um perfume, quem bebe gim acaba reconhecendo mais fácil.

      Tem um restaurante alemão em Sorocaba, perto de São Roque, que faz pratos típicos bem feitos, provei lá e gostei bastante.

      Abç
      Guzzon

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*