Boa Cerveja-Feira…. com O Manifesto

By | 12 de dezembro de 2014

Esta semana vamos falar de mais uma cerveja da Bodebrown, com uma proposta bem interessante, a O Manifesto.

O próprio nome da cerveja já deixa claro que ela esta ai para trazer uma mensagem, e neste caso a Bodebrown optou pelo rotulo impresso diretamente na garrafa e isso deixou tudo que eles queriam dizer bem claro e logo de cara, a garrafa em si já trás todo o manifesto escrito nela:

Essa cerveja é o resultado da nossa 2014.12.12 Manifesto rotuloluta em quebrar o paradigma. Juntos trabalhamos com ardor, alegria e liberdade, para aumentar o entusiástico fervor de todos os também apaixonados pela nossa arte. Respeitamos o passado, mas não há motivos para olharmos para trás se quisermos arrombar a barreira do antes impossível.

O texto é todo escrito trazendo a menção ao “nós”, e neste caso faz todo o sentido, pois esta cerveja é uma criação conjunta de vários mestres cervejeiros, Samuel (Bodebrown/Brasil), Ilceu (Dama Bier/Brasil), Eloy (Sudbrau/Brasil), Greg Murer (Beryllium Erbium/Bélgica), Chris Kirk (Great Divide e Moffat Sation/EUA), Tyler Joyce (Great Divide e Mile High/EUA) e a chef mexicana Laura Rudht Bock. Com um time deste fazendo uma cerveja com a temática de quebrar os paradigmas é de se esperar que a O Manifesto seja uma cerveja que entrega o que você não espera.

Neste caso temos uma Session Dubbel, uma proposta inesperada e uma releitura que trás o estilo mais próximo da realidade do nosso clima, mas sem perder a essência de uma Dubbel.

O Manifesto

2014.12.12 ManifestoDados Técnicos:

Cerveja: O Manifesto
Estilo: Belgian Dubbel (Session)
Teor: 3,8 %
País de origem: Brasil
Embalagem: 300 ml

Quando servimos vemos um líquido âmbar, turvo e com uma bela espuma branca que se apresenta muito bem formada e persistente.

No aroma notamos a suavidade da cerveja, as notas de malte acompanhadas por uma presença discreta de caramelos e especiarias, a suavidade do lúpulo no aroma trás frescor a cerveja.

Mas é quando provamos a cerveja que temos a percepção que se trata de uma session, o líquido é leve e bem carbonatado, no paladar as notas de malte e o baixo amargor são notamos inicialmente, logo depois temos a presença das suaves notas de caramelo e especiarias como pimenta branca.

No aftertaste notamos que as notas de especiarias acompanham um final seco, levemente adstringente e de baixo amargor.

Encontramos nesta cerveja uma versão suavizada de uma Dubbel, como era de se esperar, refrescante, suave e equilibrada, mas sem perder a essência do estilo.

Para a harmonização vamos usar algo que não mascare toda a suavidade que foi trabalhada nesta cerveja, e essa suavidade me remete a uma cerveja para ficar bebendo sem se preocupar enquanto se conversa, então irei trazer um petisco simples e fácil, torradas com queijo brie aquecido.

O queijo também é suave e suas notas mais amargas irão contrastar com as notas de malte da cerveja trazendo uma boa combinação para acompanhar uma tarde de bate papo.

Prost!

Fabrizio Guzzon

8 thoughts on “Boa Cerveja-Feira…. com O Manifesto

  1. Daniel Córdova

    Fala Guzzon!
    Essas séries da HNB e a Cacau IPA foram as únicas que tomei da Bodebrown, infelizmente. É muito difícil encontrá-las por aqui, isso que SC está colado com Curitiba. Não sei se é problema de distribuição deles, se priorizam PR e SP, ou eu que não procurei direito.
    De qualquer forma, é uma boa cerveja, mas eu também tenho meu pé atrás em relação às session.
    Cara, as garrafas da Bodebrown e da Way Beer são exatamente as que eu uso nas minhas cervejas, mas com a maldita serigrafia, que não deixa eu reaproveitá-las pro meu rótulo hahaha
    Já com a Tupiniquim é só descolar o rótulo, adicionar na coleção e usar a garrafa na próxima leva.
    Sobre o destaque na área da harmonização, acho que caixa alta agride um pouco. Negrito e/ou itálico seriam uma ideia melhor, na minha opinião.
    Ou então usar um parênteses desse de destaque, igual tem no início do texto. Acho que ficaria bom.
    A ideia da foto também é excelente. Vai fazer dar mais fome que o usual hahaha
    Abraço!

    Reply
    1. Fabrizio Guzzon Post author

      Grande Daniel!
      Eu normalmente apelo para as lojas virtuais quando quero provar algumas cervejas, ou para a loja que tem em São Roque… que tem muito rotulo tbm.
      Eu acho que as sessios entraram na moda e muita gente abusou delas, criando cervejas que as vezes não agregam tanta coisa…. mas aqueles que tem um pouco mais de discernimento conseguem usar a session como uma boa ferramenta na produção de cervejas.
      E estes rotulos serigrafados são muito bonitos, mas para quem coleciona rotulos ou faz cervejas deve ser um saco mesmo…. rsrsrs
      No artigo desta semana vou dar um destaque para a harmonização usando o parenteses, e quero começar a colocar algumas fotos culinárias a partir de janeiro já. Vamos ver se o pessoa vai curtir.

      Abç
      Guzzon

      Reply
    1. Fabrizio Guzzon Post author

      Grande Luquita!
      Sim, são bem interessantes.. a Ego talvez tenha sido a que mais que agradou, mas as outras também são muito boas.
      Acho que ainda estão disponíveis na loja do Have a Nice Beer

      Abç
      Guzzon

      Reply
  2. Anselmo Mendo

    Guzzon, vou ser sincero, eu discrimino um pouco as sessions 😀 Acho que é porque não acho que estilos suavizados fiquem melhores que os originais. Apesar disso também gostei de provar a Manifesto. O rótulo ficou bacana, mas serigrafia é a tristeza dos colecionadores e dos cervejeiros caseiros aproveitadores de garrafas. Como já tinha dito aqui, a parte que mais gosto de sua coluna é a harmonização, sempre dá água na boca. Acho que você deveria destacá-las de algum jeito na edição, talvez colocando tudo em negrito!

    Reply
    1. Fabrizio Guzzon Post author

      Grande Anselmo!
      Eu acho que as sessions tem sua função… acho que existem estilos que ganham e outros que perdem, fazer uma IPA sessions é “perder”… já existem pale ales que são uma versão mais suave.
      Porem estilos como a Dubbel ou uma lambic trariam algo novo.
      Estou pensando em dar destaque nas harmonizações… um negrito ou uma caixa é uma boa para começar, mas quero incrementar mais… quem sabe preparar um prato por mês para ter o visual da harmonização…

      Abç
      Guzzon

      Reply
        1. Fabrizio Guzzon Post author

          A ideia é essa mesmo Anselmo… fotografar a cerveja como faço regularmente e depois o prato com a breja do lado… acho que fica bacana no post

          Abç
          Guzzon

          Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*