Boa Cerveja-Feira…. com Hoppeditz

Por | 26 de junho de 2015

Esta semana vamos voltar à Alemanha para conhecer mais uma criação da cervejaria Freigeist Bierkultur, a Hoppeditz.

Falamos da cervejaria Freigeist Bierkultur a algum tempo quando falei sobre a Pimock, e no caso da Hoppeditz a cervejaria não mudou sua abordagem e se apropriou do estilo altbier e fez algumas alterações para tornar este rótulo único.

Para começar a Hoppeditz é criado usando cinco lúpulos alemães e cinco maltes alemães, sendo um dos maltes defumados. Além de abusar dos lúpulos e maltes, o teor alcoólico chega a 7,5%, bem acima dos 4,5% esperado de uma altbier padrão, por este motivo muitos a tratam como uma dopplealtbier.

E para completar temos o nome, uma cerveja com malte defumado e graduação alcoólica acima da média recebeu seu nome do tradicional boneco presente no festival de Dusseldorf que na quarta feira de cinzas é queimado..

Hoppeditz

Dados Técnicos:

2015.06.26 HoppeditzCerveja: Hoppeditz
Estilo: altbier
Teor: 7,5%
País de origem: Alemanha
Embalagem: 500 ml

Quando servida no copo a Hoppeditz se apresenta marrom escura, opaca e com uma espuma branca de boa consistência.

No aroma notamos a presença do malte com notas de caramelo e suave defumado, notas florais vindas do lúpulo e em segundo plano temos frutas escuras como ameixas e um suave amadeirado, porem todos os aromas se apresentam equilibrados.

Quando provamos a Hoppeditz encontramos um liquido de corpo médio e boa carbonatação, enquanto que no sabor encontramos o malte trazendo notas suaves de torrefação e ainda mais suaves de defumado, mas mantendo a presença do caramelo mais evidente, o lúpulo tráz um amargor mediano, bem inserido e com toques florais, em segundo plano notas frutas escuras como ameixas secas dividem o espaço com o toque amadeirado e levemente licoroso.

No aftertaste o malte deixa de ser o protagonista para dar espaço para o lúpulo que ganha destaque com seu amargor presente e bem pontuado, notas florais e final seco.

A Hoppeditz se mostra uma cerveja com notas complexas com notas florais do lúpulo, caramelo, torrefação e defumado do malte, mas que não cansa o paladar. Sua rescência garante um bom drinkability.

Para harmonizar esta cerveja, as opções são vastas, pois sua complexidade abre as portas, mas irei pegar uma das características presentes na cerveja que a diferem das demais altbier, o malte defumado.

Proponho um lombo suíno grelhado na churrasqueira, a carne irá absorver os toques defumados do carvão que irão destacar as notas defumadas da cerveja, enquanto o sabor da carne suína será completado pelas notas de malte e pelo amargor da cerveja.

Prost!

Fabrizio Guzzon

8 comentários para “Boa Cerveja-Feira…. com Hoppeditz

    1. Fabrizio Guzzon Autor

      Luquita, coloque na lista mesmo, pq vale a pena.
      Se vc puder tomar após uma alt normal é ainda mais interessante para ver onde a cervejaria potencializou a cerveja.

      Abç
      Guzzon

      Responder
  1. Philip Adler

    Depois dessa descrição quero provar!

    Eu ficaria confuso tentando decifrar todos os sabores haha!

    Responder
    1. Fabrizio Guzzon Autor

      Grande Philip,
      Se tiver a chance experimente sim.
      É um boa cerveja e muio bem trabalhada, acho que quando falamos de estilos e cervejarias alemãs é mais dificil encontrar este tipo de inovação.
      Abç
      Guzzon

      Responder
    1. Fabrizio Guzzon Autor

      Grande Anselmo,
      Eu até pesquisei para encontrar quais eram os maltes e lúpulos usados, mas não encontrei a descrição mais técnica da cerveja.
      No caso dos maltes, eles usam um defumado, certeza que usam um caramelo e mais três que não consigo identificar. No caso lúpulo, pelo menos para mim, é mais dificil pelo aroma e paladar falar o tipo de lúpulo, ainda mais quando não tem os americanos que são bem distintos.

      Mas eu chutaria os lúpulos mais comuns como Hallertauer, Saaz e Spalt… mas não posso dar certeze…

      Abç
      Guzzon

      Responder
  2. Daniel Córdova

    Grande Guzzon!

    Deu vontade de revisitar essa cerveja depois da tua descrição e ver o que encontro nela dessa vez. Minha memória me falha às vezes, mas lembro que gostei dela, tanto que tomei as 2 que vieram no HNB.

    Muito bom ver a nova escola alemã em ação, fazendo coisas diferentes e respeitando as tradições alemãs dos insumos.

    Se tiver lombinho hoje no almoço vou comer na certa!

    Abraço

    Responder
    1. Fabrizio Guzzon Autor

      Grande Daniel.
      Depois que pesquisei um pouco mais sobre a cervejaria, vi que eles são realmente os “inovadores” na alemanha, buscando revisitar as receitas e estilos e ‘quebrar’ as regras até onde a lei permite…

      E imagino que isso deva ser um trabalho ainda mais complicado que uma Brewdog tem em mudar o estilo, pq na alemanha tem muita restrição para se manter o produto como cerveja… nenhum insumo adicional por ser usado, então eles chegam a brincar até com a levedura para rever o estilo.

      Abç
      Guzzon

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*